Em reunião com Guterres, Lula defendeu que o Conselho de Segurança da ONU necessita ser reformulado

Conversa aconteceu no Japão, durante reunião do G7

0
229
Estes dois responsáveis falaram também sobre possibilidades de um plano de paz para a guerra da Ucrânia
- Publicidade -

O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, reuniu-se no domingo, dia 21 de maio, com o português António Guterres, secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU). O encontro aconteceu em Hiroshima, no Japão, no âmbito da cúpula estendida do G7.

Durante a conversa, que durou cerca de meia hora, estes dois responsáveis falaram sobre possibilidades de um plano de paz para a guerra da Ucrânia. Para Lula, o facto de o conflito não estar a ser tratado no âmbito do Conselho de Segurança da ONU demonstra a necessidade de reforma do órgão.

Guterres afirmou que foros internacionais como o G20, que reúne as 19 maiores economias do mundo e a União Europeia, têm uma grande contribuição a dar. No fim de 2023, o Brasil passará a ocupar a presidência do grupo.

O secretário-geral da ONU afirmou também que apoiará a iniciativa brasileira para formar um grupo de cooperação com os países que possuem grandes florestas: as nações amazônicas, a Indonésia e a República Democrática do Congo.

Por sua vez, Lula mencionou a Cúpula da Amazônia, que será realizada em agosto, em Belém (Pará), e também destacou o enorme potencial que o Brasil possui para a transição energética.

Tanto o presidente do Brasil como Guterres concordaram quanto à necessidade de uma reforma do sistema financeiro internacional, tanto para prevenir futuras crises sistêmicas como para ajudar as nações em desenvolvimento.

Lula também afirmou que deseja fazer do português uma das línguas de trabalho da ONU, além das seis já utilizadas: inglês, francês, mandarim, espanhol, árabe e russo.

O Brasil é um dos 51 membros fundadores das Nações Unidas, organização que foi criada em 1945, após o fim da Segunda Guerra Mundial. Desde 1955, o discurso de abertura da Assembleia Geral da ONU é proferido pelo representante brasileiro. O Brasil também ocupou em dez mandatos uma das vagas não-permanentes do Conselho de Segurança. ■

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui