Viagem a Portugal: estande na Bienal do Livro promoveu o turismo literário

Exposições levaram um pedaço de Portugal ao território brasileiro

0
148
Portugal celebrado no Brasil. Foto: Beatriz Hermínio
- Publicidade -

Com direito a réplica do bondinho mais famoso de Lisboa, exposição sobre viagens por diferentes regiões do território português, auditório com palestras de autores lusófonos, homenagem à José Saramago e uma livraria, o Pavilhão de Portugal na Bienal do Livro de São Paulo trouxe ao Brasil uma imersão na cultura portuguesa.

O Brasil foi o primeiro país a receber a exposição Sketch Tour Portugal Reload, que reúne arte e literatura para inspirar a busca por Portugal enquanto um país literário.

No pavilhão, painéis em formato de malas de viagem traziam os textos de 11 autores que descrevem, através da literatura, as paisagens e experiências vividas. Os relatos eram acompanhados de desenhos, sons e vídeos que ajudavam a mapear as vivências no território e as viagens dos autores que se dividiram em regiões como Açores, Porto e região Norte, Alentejo, Algarve, Centro de Portugal, Madeira e Lisboa.

Junto aos desenhos de cada região, também foram exibidas amostras de materiais recolhidos durante as visitas, como um ouriço de Montesinho ou um bilhete de loteria de uma viagem a Castelo Novo.

Junto aos painéis, era possível ouvir os sons característicos de cada região – Foto: Beatriz Hermínio

“Sou do outro lado, do nordeste alentejano, de uma serra caída na planície seca como um grande meteoro verde, colada a Espanha, mas todos os anos, em agosto, rumávamos a sudoeste pela fresquinha das cinco da manhã dos meus cinco anos, para longas férias no mar, até batatas e garrafão de azeite viajavam no teto do carro, atados com cordas e mãos felizes.”

– Rui Cardoso Martins sobre o Alentejo

 “O Algarve está dividido em duas partes: barlavento e sotavento. São palavras de origem náutica. Uma diz respeito à borda de um navio virada na direção do vento, outra à borda de um navio oposta à direção de onde o vento sopra. Atravessar o Algarve é como cruzar um convés de um lado ao outro.”

– Matilde Campilho sobre o Algarve

As ilustrações foram feitas por vinte sketchers portugueses e estrangeiros. Organizada pelo Urban Sketcher Portugal e pela VisitPortugal, essa é a segunda edição do projeto SketchTour Portugal, lançado em 2017.

Elétrico de Lisboa – Foto: Beatriz Hermínio

Ao lado da exposição, encontrava-se a réplica do clássico bondinho português. Através das janelas, o símbolo histórico e cultural de Portugal proporcionou aos visitantes uma imersão por ruas históricas, regiões vinícolas, natureza, arte e cultura do país, e o público ainda podia posar para uma foto com a estátua de Fernando Pessoa.

Dentro do bondinho, telas permitiam ao público passear pelo território – Foto: Beatriz Hermínio

Além de ser homenageado em uma das palestras do evento, Saramago teve a sua história, formação, épocas decisivas da sua vida e o desenvolvimento das suas obras expostas em painéis no Pavilhão. Os textos e as imagens se complementam para contar a trajetória do autor, traçando um panorama sobre suas influências literárias e o impacto de seu trabalho na literatura.

Foto: Beatriz Hermínio

“Ao longo de sua vida literária, José Saramago foi abordando, em interação com a obra literária, questões sociais, éticas e políticas. A crescente relevância dessas questões, no trajeto do escritor, explica estas palavras: ‘Cada vez me interessa menos falar de literatura'”.

Os textos são de Carlos Reis, comissário do centenário, e a exposição foi organizada pelo Camões – Instituto da Cooperação e da Língua e a Fundação José Saramago.

No espaço infantojuvenil, a programação explorou o fundo do mar. Organizada pela EDP, o espaço voltado ao público jovem e infantil no pavilhão buscou chamar atenção para questões relacionadas ao oceano e à sustentabilidade, com jogos, contação de histórias e exibição de curtas. Ainda, uma atividade de realidade virtual e aumentada levou o público ao fundo do mar e promoveu a conscientização sobre problemas como a acidificação do oceano.

Imersão no Oceano – Foto: Beatriz Hermínio

A primeira Bienal pós pandemia, na sua 26ª edição, ocorreu de 2 a 10 de julho em São Paulo e registrou um total de 660 mil visitantes. Portugal foi o país convidado de honra no ano que marca não só o centenário de Saramago, como o bicentenário da independência do Brasil. ■

Beatriz Hermínio

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui