SECP: Paulo Cafôfo investigado pelas autoridades portuguesas por corrupção

Secretário de Estado afirma desconhecer os contornos do processo

0
51
Paulo Cafôfo, secretário de Estado das Comunidades Portuguesas
- Publicidade -

Informações avançadas pela imprensa portuguesa dão conta de que o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, Paulo Cafôfo, está a ser investigado por crimes de corrupção. Em causa estariam “contratos públicos celebrados por quatro autarquias madeirenses”.

Segundo fontes, Cafôfo estaria a ser investigado pelo Ministério Público português enquanto ex-presidente da Câmara Municipal do Funchal (entre 2013 e 2019), na ilha da Madeira.

Em nota, a Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas disse que Cafôfo desconhece os contornos do processo.

“O Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas tomou conhecimento da notícia que está a ser veiculada por diversos órgãos de comunicação social com alusão a uma investigação do Ministério Público, na sequência de uma denúncia anónima, relativa ao período em que foi presidente da Câmara Municipal do Funchal (entre 2013 e 2019). Embora o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas tenha tido conhecimento da instauração de um processo de inquérito, no DCIAP, no ano de 2018, desconhece, até agora, os concretos termos desse processo, em relação ao qual nunca foi ouvido”, menciona nota do Gabinete do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

Neste documento, pode-se ler que, “ainda assim, o Secretário de Estado das Comunidades Portugueses esclarece que não tem conhecimento de qualquer facto que possa indiciá-lo da prática de qualquer ilícito criminal, tendo sempre exercido funções políticas com lisura, transparência e respeito pela legalidade, em prol dos interesses públicos”.

A Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas afirma que está a aguardar “com serenidade a conclusão do processo de inquérito que ainda estará a decorrer, reiterando a sua disponibilidade para colaborar com as autoridades judiciais com vista ao célere desfecho deste processo”. ■

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui