Real Gabinete Português de Leitura celebra 186 anos com aposta na intensificação da sua presença junto da comunidade luso-brasileira

Fundado em 1837, existem diversas histórias incríveis neste templo da literatura no Brasil

0
1280
Francisco Gomes da Costa, presidente do RGPL, e o escritor português João Morgado, durante visita à biblioteca em 2019
- Publicidade -

No último dia 14 de maio, o Real Gabinete Português de Leitura (RGPL), no Rio de Janeiro, completou 186 anos de fundação. Conhecido por ser a “maior biblioteca de autores portugueses fora de Portugal”, o local reúne relíquias literárias no seu acervo e serve de referência para estudos, pesquisas e ações culturais, além de ser um conhecido ponto de encontro da comunidade luso-brasileira.

Fundado em 1837, existem diversas histórias incríveis neste templo da literatura no Brasil. O “Salão de Leitura” e o “Salão dos Brasões” testemunharam incontáveis cerimónias cívicas, tais como a jubilosa receção dos heróis Sacadura Cabral e Gago Coutinho após a primeira travessia aérea do Atlântico Sul, além de exposições de pintores como a de José Malhoa, espetáculos musicais, encontros científicos, entre muitos outros exemplos.

Algumas datas merecem destaque, como 1881, quando se iniciou a construção do atual edifício-sede na cidade maravilhosa. Em 1887, houve a inauguração do edifício-sede com a presença da princesa Isabel, no ano em que o Gabinete completava 50 anos. No ano de 1906, por decreto de 12 de setembro, D. Carlos concedeu o título de Real ao Gabinete Português de Leitura. Em 1935, foi concedido pelo governo português o estatuto de “depósito legal” ao Real Gabinete Português de Leitura. Já em 1969, aconteceu a criação do “Centro de Estudos”.

Atualmente, o Real Gabinete Português de Leitura disponibiliza uma biblioteca pública, com foco na cultura portuguesa e luso-brasileira. Além disso, através do seu Centro de Estudos, realiza cursos de extensão, seminários, colóquios, conferências com o objetivo de “divulgar a cultura portuguesa no Brasil”. No âmbito do Centro de Estudos funciona o Polo de Pesquisa Luso-Brasileiras, criado por Gilda Santos em 2001, que reúne cerca de 60 professores e pesquisadores.

Tombado pelo Instituto Estadual do Património Cultural do Rio, o Real Gabinete Português de Leitura recebe, por ano, cerca de 220 mil visitantes. O seu acervo conta com obras históricas, como a edição princeps d’Os Lusíadas, Ordenações de D. Manuel, por Jacob Cromberger, editadas em 1521; os Capitolos de Cortes e Leys que sobre alguns deles fizeram, editados em 1539; Verdadeira informaçam das terras do Prest Joam, segundo vio e escreveo ho padre Francisco Alvarez, de 1540; manuscrito autógrafo de O amor de perdição, de Camilo Castelo Branco; o manuscrito do Dicionário da Língua Tupy, de Gonçalves Dias; entre outros.

“O RGPL, através do seu Centro de Estudos, e utilizando os canais que a tecnologia digital permite, procura intensificar a sua presença e a divulgação das suas atividades culturais dirigindo principalmente os seus esforços ao meio universitário. Para atingir tais objetivos, também busca promover o intercâmbio e a colaboração com universidades e institutos culturais e artísticos do país e do exterior”, frisou Francisco Gomes da Costa, presidente do RGPL há sete anos.

A interação do Real Gabinete Português de Leitura com o governo de Portugal acontece por meio da Associação Luiz de Camões, que foi constituída em 14 de maio de 2018 pelos associados fundadores: Camões – Instituto da Cooperação e da Língua I.P, Real Gabinete Português de Leitura, Liceu Literário Português e Real e Benemérita Sociedade Portuguesa Caixa de Socorros D. Pedro V. O objetivo dessa Associação, segundo apurámos, é “zelar pela proteção, preservação e valorização do património material e imaterial que compõe o acervo cultural, social, educacional e histórico lusitano agregado às três instituições brasileiras”.

O Real Gabinete Português de Leitura possui também a maior e mais valiosa biblioteca de obras de autores portugueses fora de Portugal, com um acervo, inteiramente informatizado, composto por 350 mil volumes. A biblioteca recebe de Portugal, pelo estatuto do “depósito legal”, um exemplar das obras publicadas em Portugal.

O edifício da atual sede, projetado pelo arquiteto português Rafael da Silva e Castro, foi erguido entre 1880 e 1887 em estilo neomanuelino, um estilo arquitetónico que evoca o estilo gótico-renascentista vigente à época dos Descobrimentos portugueses, denominado como manuelino em Portugal por haver coincidido com o reinado de D. Manuel. No Rio, o edifício é um marco arquitetónico e turístico.

O Imperador D. Pedro II lançou a pedra fundamental do edifício em 10 de junho de 1880, e sua filha, a Princesa Isabel, junto com o seu marido, o Conde d’Eu, inauguraram-no em 10 de setembro de 1887. ■

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui