Paulo Cafôfo e José Albano defenderam comunidades portuguesas durante evento em Fafe

“o Estado tem de fazer com que a nossa diáspora seja um exemplo e continue a puxar Portugal para cima”, disse o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas

0
92
Paulo Cafôfo, Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, durante encerramento da Sessão de Apresentação de Apoio aos Emigrantes e ao Investimento da Diáspora
- Publicidade -

O Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, Paulo Cafôfo, foi o responsável por encerrar a Sessão de Apresentação de Apoio aos Emigrantes e ao Investimento da Diáspora que decorreu, entre os dias 4 e 10 de agosto, no auditório da Câmara Municipal de Fafe, no âmbito da Festa do Emigrante 2023.

Esta iniciativa pretendeu, segundo o governo local, ser um “importante momento de debate e de reflexão em torno das medidas de apoio ao regresso aos emigrantes e ao investimento em Portugal, bem como outras iniciativas do governo e da autarquia de Fafe”.

Paulo Cafôfo reafirmou que devem manter-se os laços afetivos e de contacto permanente com o ativo estratégico que os cinco milhões de portugueses que vivem no estrangeiro representam.

“É nos territórios de baixa densidade que esse investimento é mais preciso e o governo tem de ajudar a criar essas condições”, afirmou Cafôfo, que ressaltou que “o Estado tem de fazer com que a nossa diáspora seja um exemplo e continue a puxar Portugal para cima”.

Antero Barbosa, presidente Câmara Municipal de Fafe, afirmou que a diáspora desempenha um papel muito importante no impulso à internacionalização das empresas sediadas no concelho de Fafe e referiu-se ao esforço de divulgação das potencialidades do município para atrair investimentos oriundos de mercados fora de Portugal.

“O município deve saber aproveitar esta potencialidade de termos embaixadores por todo o mundo para atrairmos empresas para o concelho e aproveitar esta rede para expandir negócios e captar a atenção daqueles que aqui querem investir”, disse, sublinhando que “temos vindo a acarinhar as empresas a fixar-se em Fafe, o PDM vai duplicar os espaços para esse fim e quem quiser investir em Fafe dispõe de condições para isso”.

Paula Nogueira, vereadora do pelouro da Cultura e com atribuições nas Relações Internacionais e Geminações, confirmou, por sua vez, que “Fafe celebra o regresso dos seus conterrâneos com um programa que valoriza a cultura que nos une e identifica”, por isso, “concedemos lugar às nossas tradições, à nossa história, àquilo que é único e que mantém vivo o laço com aqueles que tendo partido têm sempre consigo a vontade de voltar”.

Referindo-se a iniciativas como o Censos da diáspora, que procura cartografar a presença dos fafenses emigrantes”, esta responsável considerou que “Fafe é do tamanho do mundo porque chega a toda a parte onde vive um fafense”.

“Regressar” em pauta

José Albano, diretor do Programa Regressar

Ainda no dia 10 de agosto, José Albano, diretor do Programa Regressar, fez a Sessão de Apresentação de Apoio aos Emigrantes e ao Investimento da Diáspora, momento no qual o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas foi o responsável pelo encerramento, conforme citado acima.

“Um Município empenhado no regresso dos seus emigrantes, numa organização fantástica”, comentou José Albano sobre o evento.

“Um agradecimento especial ao presidente da Câmara Municipal de Fafe, Antero Barbosa, pelo amável convite, bem como por toda a organização, além da sua equipa, demonstrando que estão empenhados no apoio aos emigrantes”, finalizou José Albano.

As «Fafeiras» em livro

O programa alusivo à Festa do Emigrante em Fafe terminou com a apresentação do livro “As Fafeiras”, da autoria de Paulo Moreira e António José Novais, que retrata o processo migratório de jovens mulheres, oriundas de algumas freguesias do norte do concelho Fafe, para a localidade de Gafanha da Nazaré, e outras, designadamente, Vila do Conde, para trabalharem na seca do bacalhau.

O livro retrata, numa perspetiva antropológica e sociológica um movimento migratório que era desconhecido para a generalidade dos fafenses e que vem acrescentar conhecimento à história local.

A sessão de apresentação contou com a presença do Secretário de Estado das Comunidades, Paulo Cafôfo que elogiou o trabalho de pesquisa dos dois autores, assim como o empenho do município de Fafe na defesa e promoção da identidade, tradições e história locais.

Seguiu-se a exibição do filme “Erosão” inspirado na obra de Miguel Torga, “Terra Firme”. Uma história sentida sobre a saudade de quem vê partir os seus mais próximos para outras paragens.

Impulsionado pela companhia EnfimTeatro e a Sociedade de Recreio Cepanense, o filme é resultado de um projeto comunitário homónimo que tem a comunidade fafense como protagonista envolvendo mais de 200 participantes e duas dezenas de instituições. ■

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui