Opinião: Migrar faz parte da natureza humana

“A migração é uma experiência complexa e desafiadora, mas também pode ser uma experiência de crescimento e transformação”

2
388
Rhaxwell Nascimento, CEO da Associação e-DNA e Sócio na Digital MKT e Media
- Publicidade -

Acredito que todos já tenham ouvido a frase que diz que o Brasil é um país de imigrantes. Podemos dizer que esta frase é simplista, pois “migrar” é um movimento natural da humanidade como um todo, responsável pela expansão geográfica mundial e também pela busca incansável do ser humano em encontrar o seu lugar ao sol, seja cá, lá ou acolá.

É um ato intrínseco da natureza humana. Desde os primórdios, os indivíduos estão em constante movimento, em busca de melhores condições de vida. Por razões económicas, políticas, sociais ou ambientais, as pessoas deixam as suas casas para buscar um novo lugar para viver.

Os povos movimentaram-se no passado, assim como o fazem hoje. O Brasil, por exemplo, é composto por diversas e enormes colónias onde italianos, japoneses e portugueses, apenas para citar alguns, encontraram em terras brasilis um lugar para chamar de seu.

A migração é uma experiência complexa e desafiadora, mas também pode ser uma experiência de crescimento e transformação. Ao se mudar para um novo país, as pessoas são obrigadas a sair da sua zona de conforto e aprender coisas novas. Elas também têm a hipótese de conhecer e relacionar-se com pessoas de diferentes culturas e aprender sobre diferentes perspetivas. Essa experiência pode ser muito enriquecedora e pode ajudar as pessoas a tornarem-se mais tolerantes e abertas a novas ideias.

Além disso, a migração pode abrir novas oportunidades de vida. As pessoas que migram para outros países podem ter acesso a diferentes oportunidades de empregos, educação e saúde. Elas também podem ter a possibilidade de construir uma vida nova e melhor para si e para as suas famílias.

Este é um lado desse fenómeno. O outro é que as correntes migratórias não são benéficas apenas para quem chega, é também uma excelente oportunidade para o local que a recebe. Essa é uma experiência que tem moldado a história da humanidade. Ela é responsável pela formação de novas culturas e pela disseminação de ideias e tecnologias, fonte de mão de obra em todos os níveis, renovação populacional e etária. Quanto aos fatores económicos, em situações normais o imigrante favorece e melhora a economia, para a segurança social, gera empregos e aumenta o consumo de bens em geral.

Engana-se quem acredita que a migração é feita apenas por necessitados e pessoas sem possibilidades ou insatisfeitas com as suas origens. Experimentar, crescer e contribuir também são fatores que costumam pesar nessa decisão. Quase sempre o imigrante é um ser leve e forte, que traz consigo a saudade, mas tem a esperança, a alegria e os sonhos acesos.

É importante estar preparado, pois este processo normalmente conjuga dores, frustrações e lágrimas com a satisfação de vencer, de realizar e conquistar. O imigrante é um indivíduo que esta disposto sobretudo a vivenciar e que merece nosso respeito, compreensão e apoio.

Deve-se ressaltar que a migração é um prato temperado com uma dose de poder de adaptação, uma pitada de resiliência e muita coragem. Migrar é partir, e os fracos não partem.

Um dos maiores nomes da literatura mundial – o português Fernando Pessoa, no âmbito de um dos seus heterónimos mais famosos, o Álvaro de Campos, que era por natureza imigrante, disse: “Partir! Partir é viver excessivamente. O que é tudo, senão partir?”. ■

Rhaxwell Nascimento

CEO da Associação e-DNA, Sócio na Digital MKT e Media (e-TAG Digital Signage System), Desenvolvedor de Negócios e Investimentos no Brasil e Portugal, Gestor de Alta Performance, Formador e Criador de Soluções

rhaxwell@e-dna.pt

- Publicidade -

2 COMENTÁRIOS

  1. Muito bem Denis, realmente é um direito e ainda mais, é uma relação de ganha x ganha entre todos os agentes desse movimento. Obrigado pela contribuição.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui