Lusodescendente é um dos principais rostos do mercado imobiliário de luxo em Nova Iorque

Luciane Ribeiro Serifovic fundou a primeira empresa imobiliária internacional de luxo de base virtual

0
235
Luciane Ribeiro Serifovic
- Publicidade -

Luciane Ribeiro Serifovic, neta de portugueses e filha de português da Ilha da Madeira, desde cedo demonstrou que a vontade de vencer na vida a acompanhava. Da mesma forma que os avós embarcaram para o Brasil em busca de uma vida melhor, Luciane viu nos Estados Unidos a terra das suas oportunidades.

Ao completar a maior idade rumou ao país dos sonhos numa aventura que nem sempre foi fácil.

“Tinha duas tias nos EUA, mas comecei do zero, sem falar inglês. Quando cheguei, não podia trabalhar, porque não tinha um visto permanente de imigração, então fui fazendo trabalhos mais pequenos em cafés, como ‘baby-sitter’ e em lojas de roupa”, disse a lusodescendente.

Recentemente, Luciane recebeu um dos mais prestigiados prémios da área onde atua, ‘Premier Business Women of Long Island 2022’ e é fundadora e CEO de uma loja virtual no mesmo segmento que inaugurou no início da pandemia. A da ‘Luxian International Realty’, “a primeira empresa imobiliária internacional de luxo de base virtual e que usa a tecnologia ‘blockchain’ no mundo” e considera que o mercado virtual é o futuro do ramo imobiliário.

O percurso até este ponto foi desafiante e trabalhoso. Recentemente numa entrevista para Portugal, a corretora explicou um pouco do seu percurso. “Não foi fácil, comecei por vender e alugar apartamentos no centro de Nova Iorque, depois tornei-me assistente de gerente, depois gerente, vice-presidente, executiva, diretora e hoje sou a dona da minha própria empresa de vendas internacionais, num mercado de luxo, que engloba celebridades”, afirmou.

A lusodescendente explica que o facto da sua loja ser totalmente organizada a nível virtual e conseguir dar aos seus clientes todas as informações sobre o imóvel e recriar a experiência de uma visita real lhe dá vantagens. Os clientes do segmento em que atua são normalmente pessoas sem tempo para visitas físicas e a nova tecnologia aliada à confiança que o nome de Luciane tem no mercado são aliados fundamentais na hora da compra.

Quanto ao prémio que recebeu recentemente, Luciane explica e agradece uma vez que “Sou a primeira mulher de uma minoria – imigrante latina – a ter uma companhia virtual de luxo que usa a tecnologia para vender casas virtualmente. Durante a pandemia, ajudei muitas pessoas que estavam a tentar vender os seus imóveis e que não estavam a conseguir porque as imobiliárias estavam todas fechadas”.  ∎

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui