Lamego: Santuário de Nossa Senhora dos Remédios atrai visitantes ao Douro

Fé, tradição, arquitetura e história

0
304
Imagem noturna da igreja de Nossa Senhora dos Remédios, em Lamego, Portugal
- Publicidade -

Em Lamego, há um santuário a servir de corolário a um deslumbrante cenário. O que verdadeiramente singulariza a cidade verde é o Santuário de Nossa Senhora dos Remédios.

No topo do Monte de Santo Estêvão, o Santuário é parte integrante do panorama da cidade de Lamego.

História do Santuário

O Santuário de Nossa Senhora dos Remédios está localizado em Lamego, no monte de Santo Estêvão, antecedido por extensa alameda – avenida das Tílias entre a avenida Dr. Alfredo de Sousa e avenida Visconde Guedes Teixeira – que se inicia no museu de Lamego, antigo paço episcopal reedificado na segunda metade do século XVIII e com a função de museu desde 1918.

Em 1568, o bispo de Lamego D. Manuel de Noronha autorizou a demolição da velha ermida e, no local onde atualmente se situa o pátio dos Reis, mandou erguer outra sob invocação de Nossa Senhora dos Remédios. Esta capela acabou por ser também demolida para se erguer o atual Santuário, cuja primeira pedra foi assente em 1750, por iniciativa do cónego José Pinto Teixeira.

Escadório

A escadaria iniciou-se em 1777, mas as obras só vieram a terminar no século XX.

O quadro mais grandioso da escadaria é sem dúvida o denominado “Pátio dos Reis” – obra arquitetónica admirável.

Formada pela Fonte dos Gigantes de vinte e dois metros de altura, constituída por uma taça com quatro atlantes, sobre golfinhos, a sustentar um obelisco com cerca de 15 metros de altura, decorado com símbolos marianos e rematado com estrela.

Este pátio é rodeado de várias estátuas que representam os 18 nomes da casa de David.

Também notáveis são os dois pórticos que dão acesso lateral para este amplo terreiro.

De mencionar também o pátio de Nossa Senhora de Lurdes ou de jesus Maria José, onde existe uma capela que o seu fundador dedicou à sagrada família. Mais tarde, a irmandade mandou colocar ali a imagem de Nossa Senhora De Lurdes. Sobre a porta da bonita capela está o brasão do bispo D. Manuel Vasconcelos Pereira, seu edificador.

Construído ao longo de 150 anos, a obra terminou em 1905.

O escadório inicia-se até ao alto do monte onde se encontra a igreja que substituiu a capela de Santo Estevão. Construído ao longo de 150 anos, a obra terminou em 1905. O escadório está rodeado pelo parque de Santo Estevão ou dos Remédios sendo que o culto do santo foi decaindo em detrimento da devoção a Nossa Senhora dos Remédios.

No local onde foi erguida a capela-mor de Nossa Senhora dos Remédios existia uma pequena ermida, mandada construir pelo bispo D. durando, em 1361, dedicada a Santo Estevão.

A Igreja

No local onde foi erguida a capela-mor de Nossa Senhora dos Remédios existia uma pequena ermida, mandada construir pelo bispo D. durando, em 1361, dedicada a Santo Estevão.

Em 1568, o bispo de Lamego D. Manuel de Noronha autorizou a demolição da velha ermida e, no local onde atualmente se situa o pátio dos Reis, mandou erguer outra sob invocação de Nossa Senhora dos Remédios. Esta capela acabou por ser também demolida para se erguer o atual Santuário, cuja primeira pedra foi assente em 1750, por iniciativa do cónego José Pinto Teixeira.

A talha é setecentista. O retábulo da capela-mor atrai pelo seu emolduramento, constituindo um quadro original dentro dos entalhamentos portugueses, no centro do qual se encontra a imagem de Nossa Senhora dos Remédios.

O frontispício do Santuário é a parte mais admirável de todo o edifício, fascinando todos os que se quedam a admirar o fulgor e génio criativo ali patente. Todos os adornos, tão elegantemente refinados no granito, são admiráveis.

No adro da igreja, do lado sul, existe uma harmoniosa fonte toda esculpida em granito da região, com desenho de Nicolau Nasoni, datada de 1738.

As duas torres – com projeto do arquiteto Augusto de Matos Cid – iniciaram-se muito mais tarde.

A do lado Sul começou a ser construída em 1880, vindo a torre do lado norte a concluir-se apenas em 1905.

As Torres

Esguias, brancas, esbeltas, as Torres, vestidas de um barroco delicado pelo cinzel do mestre pedreiro, olham do alto do monte de São Estêvão, convidando o forasteiro a olhar, aos pés do monumental escadório, a cidade de Lamego. Elas olham, convidam. E, qual sentinelas de alvura vestidas, guardam lado a lado o Santuário da Senhora dos Remédios.

O Parque

Na mata corre seiva centenária.

A frescura das suas árvores, que desafiam os céus, que emolduram de verde o escadório, mistura-se com o murmúrio das águas das fontes e grutas, oferecendo ao visitante um lugar onde a paz bucólica se mistura com o silêncio da meditação, o descontraído lazer com o descanso suado do peregrino ou do romeiro que demanda o Santuário de N. Sra. dos Remédios.

De 24 de agosto a 9 de setembro revivem-se as tradições d’ “A Romaria de Portugal”, ou as Festas em Honra de Nossa Senhora dos Remédios, em Lamego. ■

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui