FUNCEX Europa defendeu acordo UE-Mercosul durante evento da Fundación Euroamérica em Lisboa

“Juntos passamos a ser cerca de 780 milhões de consumidores e representaremos 25% do PIB mundial”, destacou Higor Ferro Esteves sobre a possível conexão entre UE e Mercosul

0
118
Higor Ferro Esteves apresentou pontos que mostram as importantes relações entre estes dois blocos económicos
- Publicidade -

O “Futuro das relações entre a União Europeia e a América Latina e Caraíbas após a Cimeira UE-CELAC” foi o tema do sexto seminário organizado pela Fundación Euroamérica e a Casa da América Latina em Lisboa, no último dia 6 de novembro. O objetivo foi “divulgar e difundir os resultados”, entre os setores público e privado e a sociedade civil de ambos os lados do Atlântico, da Cimeira UE-CELAC, que decorreu no passado mês de julho em Bruxelas, e que contou com uma Mesa Redonda Empresarial. A ideia é “explicar o estado atual e as projeções futuras das relações entre as duas regiões: União Europeia e Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos.

Esta iniciativa contou com três sessões centrais que reuniram líderes, especialistas, entidades e autoridades dessas duas regiões geográficas. A segunda sessão tratou do tema “Brasil e a UE, relações políticas, comerciais e de investimento”. Este painel contou com Raimundo Carreiro, embaixador do Brasil em Portugal; Miguel Belo de Carvalho, membro da Comissão Executiva do Banco Santander Totta; Higor Ferro Esteves, diretor-geral do escritório europeu da Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex Europa); Rafael Lozano, Country Manager Brazil at EllaLink, que participou on-line; e Leonídio Ferreira, diretor interino do Diário de Notícias, que foi o moderador. José Manuel Fernandes, deputado do Parlamento Europeu e presidente da delegação para as Relações com o Brasil, também fez uma intervenção.

“O evento foi enriquecedor por trazer para debate o tema do acordo UE-Mercosul. Uma discussão de mais de 20 anos com diferentes contornos ao logo desse tempo e que ainda não temos um entendimento. No que diz respeito ao Brasil, tivemos a oportunidade de ouvir pelo Embaixador do Brasil em Lisboa a posição que o governo brasileiro assumiu durante a cimeira UE-Celac em julho deste ano, que defende que o Brasil não quer exportar somente commodities, mas quer exportar serviços, produtos manufaturados e se reindustrializar”, comentou Higor Ferro Esteves, da FUNCEX-Europa.

Este mesmo responsável considera que o seminário foi uma oportunidade para “mostrar, uma vez mais, o potencial de mercado que existe através do acordo UE-Mercosul para todos os envolvidos”.

“Juntos passamos a ser cerca de 780 milhões de consumidores e representaremos 25% do PIB mundial”, destacou Higor Ferro Esteves.

De acordo com os organizadores do evento, “é imprescindível para a União Europeia criar alianças estratégicas com regiões do mundo com as quais partilha valores e princípios, a fim de enfrentar conjuntamente os desafios com os quais todos nos confrontamos. Por esta razão, as instituições europeias olham para a América Latina e as Caraíbas como o seu principal parceiro estratégico. Ambas as regiões estão empenhadas num sistema multilateral sólido, baseado em regras identitárias, representando no seu conjunto, um terço dos membros das Nações Unidas”.

A Cimeira UE-CELAC, realizada em Bruxelas em julho após uma interrupção de oito anos, sublinhou um “desejo comum das duas regiões de reforçar os seus laços, a cooperação entre elas em fóruns multilaterais, a paz e a segurança mundiais, o comércio e o investimento, ações conjuntas para combater as alterações climáticas, a justiça e segurança para os cidadãos”.

Ainda no âmbito desta Cimeira, realizada este ano, a Comissão Europeia, juntamente com o BID e o CAF-Banco de Desenvolvimento da América Latina, organizou previamente uma Mesa Redonda Empresarial para explorar as oportunidades de investimento, onde foi apresentada a Agenda de Investimento Global Getaway, que inclui mais de 135 projetos para tornar a transição ecológica e digital justa, uma realidade para ambos os lados do Atlântico. ■

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui