Fora dos palcos, autores participantes avaliaram primeiro Fliparacatu

"Fliparacatu encerrou-se com um sentimento onipresente de gratidão", disse a organização do evento

0
135
Foto: Ranch Films
- Publicidade -

Com o encerramento do primeiro Fliparacatu no último domingo, 27 de agosto, os autores participantes uniram-se para expressar os seus agradecimentos pela oportunidade de partilhar as suas histórias e vivências. Em meio às palavras tecidas inspiradas pela literatura e o calor (meteorológico e literário), o Fliparacatu encerrou-se com um sentimento onipresente de gratidão. A cidade mineira tornou-se num ponto de encontro, onde as palavras ganharam vida diante de moradores e visitantes.

Leia abaixo alguns feedbacks que o Festival recebeu dos autores participantes do I Fliparacatu:

  • Alessandra Roscoe

Sensacional! O FliParacatu já nasce um clássico! Parabéns! Foi um privilégio poder fazer parte. Obrigada a todos por tantas partilhas! Viva o FliParacatu! Amei conhecer cada um que só conhecia dos escritos e rever os que já conhecia! Adorei também cada um da equipe. Vocês são gigantes.

  • João e Maria Edina Portinari

Foi uma grande alegria e emoção estar na Fliparacatu! Sintam-se abraçados(as) com carinho e admiração. Que a Fliparacatu continue brilhando, e tocando corações e mentes até o seu encerramento no domingo. Esperamos rever vocês! Dias de beleza, encantamento e aprendizado. Parabéns aos curadores e à equipe de produção. Nota 1000!

  • Suely Machado

Não pude estar presencialmente por motivos de saúde mas me fiz presente pelo trabalho que realizei junto aos bailarinos do Grupo Primeiro Ato que se apresentaram no anfiteatro da Fundação Municipal Casa de Cultura com nosso “Terreiro”: ancestralidade, devoção, festejos e encontros. Uma homenagem às artes e danças populares mineiras. Agradeço pela oportunidade de, juntos à equipe do Fliparacatu,mostrar nossa ancestralidade e liberdade. E à preciosa equipe do festival: obrigada pela delicadeza e brilhante produção.

  • Luana Tolentino

Quando eu era criança, perguntei à mãe do meu pai: Vó, pra que a gente vai na igreja? “Pra pedir perdão pelos nossos pecados!” — ela disse. Pobre Luana…Tão menina e já cheia de pecados… Lembrei dessa história ao entrar na Igreja de Nossa Senhora do Rosário, um dos espaços em que foram realizados as mesas e os debates do Festival Literário Internacional de Paracatu. Fiquei emocionada. A igreja estava cheia de adolescentes à espera do bate-papo entre mim e o escritor Tino Freitas. Naquele momento não havia lugar para o medo e para a culpa, conforme aprendi com a minha vó. Mas, sim, uma busca por histórias, trocas e partilhas. Fiquei emocionada também ao pensar que para muitos era a primeira vez que tinham a oportunidade de ver, ouvir, abraçar escritores e escritoras. Diante disso, refleti sobre o quanto a educação nega isso aos estudantes. Na primeira escola em que trabalhei, os livros ficavam trancados num armário para que os alunos não colocassem as mãos. Era a ordem da diretora. Em outras, a biblioteca era o lugar do castigo, para onde iam os que não faziam o dever de casa. Era ainda o espaço em que meninos e meninas com deficiência ficavam apartados dos demais. Durante 4 dias, vivi um sonho. Um sonho chamado Fliparacatu: Mia Couto, Itamar Vieira Junior, Jeferson Tenório, Eliana Alves Cruz, Jamil Chade, Juliana Monteiro, Livia Santana, Paloma Jorge Amado e tantos outros abrilhantaram o festival. Conceição Evaristo foi a grande homenageada. Que alegria conversar com moradores da cidade e perceber o encantamento, o orgulho de receber um festival tão grandioso. Tudo lindo, mágico, impecável. Nada do que eu disser será suficiente para agradecer o convite generoso, a oportunidade de estar ao lado de pessoas que tanto admiro, que me formaram enquanto leitora e cidadã. Obrigada, obrigada e obrigada! Voltei para casa com o coração feliz e com a cabeça cheia de sonhos: deveria haver uma lei, um decreto que obrigasse cada cidade, cada município desse país a promover, apoiar uma feira, um festival literário. Literatura é vida. Literatura é um direito. Um direito inegociável. Volto com o coração rico e grato! Que festa linda, viva! Tudo perfeito, impecável. Vida longa ao Fliparacatu!

  • Silvana Gontijo

Já estou com saudades! Percebi, em todas as mesas que pude assistir, a presença de um rio na descrição dos territórios, os cenários de cada história. Impressionante… Até breve!

  • Juliana Monteiro

Agradeço à equipe do Fliparacatu pelo convite, carinho e competência e a todos pela amizade. Foi lindo!

  • Paulliny Tort

Vida longa à amizade e à literatura. Que venham mais eventos lindos como este e vida longa para a Fliparacatu!

  • Ricardo Ramos Filho

Emoções, muitas emoções. E os detalhes não foram tão pequenos. Os beijos são muitos. Sinto-me pleno. Feliz. Viva a cultura!

  • Paloma Jorge Amado

Obrigada por tanto carinho e por tantas palavras preciosas e justas! Vamos em frente.

  • Kakay

A organização foi incrível. Vivemos dias de emoção permanente com direito a um carinho que nos fez bem demais. Especialmente para mim foi muita honra, um sonho mesmo, estar no Fliparacatu. Estou todo prosa. Chique do úrtimo.

  • Trudruá Dorrico

Agradeço por todo acolhimento e organização para que falássemos de nossas ancestralidades. Obrigada mais uma vez pela organização e todos, todas e todes artistas que estiveram no Fliparacatu nesses dias.

  • Robalinho

Foram dias de grandes falas, encantamento e convergências. Gratidão é uma dívida que não prescreve nunca. Abraços deste esforçado pernambucano.

  • Adriana Abujamra

Foi bonita a festa. Alegria passar estes dias juntos, ouvir cada um, não só nas mesas oficiais mas também nas conversas paralelas. Um beijo para todos e um grande viva para Afonso, Sérgio e Tom, trio sem o qual nada disso teria acontecido.

  • Matheus Leitão

Há exatos 60 anos, Martin Luther King, acompanhado de Mahalia Jackson, Bob Dylan e o trio Peter, Paul & Mary, fazia o histórico discurso “I Have a Dream”. A fala aconteceu no dia 28 de agosto, na frente de 250 mil pessoas. Mas no dia 27 – 60 anos atrás – ele se reunia com diversas lideranças contra a segregação racial e pelos direitos civis. Acho que tem tudo a ver com o que vivemos nesses dias. Parabéns, Afonso Borges, pela Fliparacatu. Me sinto, de fato, um privilegiado.

  • Nádia Gotlib

Viva a alegria de estar perto de cada autor no Fliparacatu! Estamos mais juntos agora. Levo comigo gratas recordações do Fliparacatu. Como foi bom! Obrigada pelo convite. E viva toda a equipe responsável pela execução do projeto! Volto com saudade das pessoas que lá estavam e com a alma lavada pelo que ouvi e aprendi. Meu abraço, com carinho!

  • Simone Paulino

Foram dias deliciosos esses últimos. Só consigo dizer gratidão, essa palavra-tudo, como ensinou o poeta. A Afonso Borges, Sérgio Abranches e Tom Farias, pelo convite e a toda essa equipe de produção maravilhosa que fez cada um de nós se sentir especial, mas também a todos os demais pela partilha e pela escuta. Vocês já moram todos no meu coração.

  • Alexandre Marino

Pensando em tudo de bom que vi e ouvi no Festival e agradecendo o privilégio de ter sido convidado a participar. Feliz pelos encontros, por tudo que ouvi, vi, pela oportunidade de falar sobre minha poesia, pela organização, pelos registros, pelos encontros. Pelas pessoas que tive a oportunidade de abraçar. Pelas amizades que, antes virtuais, agora se consolidaram. Pelos autógrafos. E por tudo mais.

  • Taiasmin

Agradeço a todos que tornaram este evento possível. Foi muito especial e enriquecidor.

  • Ricardo Prado

Já com saudades de todos… Parabéns pela equipe maravilhosa!

  • Míriam Leitão

Muito bom. Agradeço o carinho, os abraços, a convivência, o aprendizado. Com saudade de tudo.

  • Eduardo Góes Neves

Foi um prazer conhecê-los e passar esses dias com vocês. Obrigado demais pelo evento maravilhoso e organização impecável. Que curadoria tão precisa, que festa linda! Voltei feliz demais de Paracatu.

  • Socorro Acioli

Quero deixar meus agradecimentos à competência da equipe, a gentileza, o bom humor, sempre cuidadosos a qualquer hora do dia ou da noite. A equipe arrasou e a curadoria do evento só escolheu os melhores. Obrigada a todo mundo que, mesmo no maior cansaço, nunca deixou de sorrir. Vocês arrasaram! Meus mais sinceros agradecimentos pelo acolhimento, pelos risos, pelos abraços e pela cantoria. Que alegria participar da primeira Paracatu!

  • Henilton Menezes

A todos e todas, em nome do MinC, agradeço a presença e dedicação pela realização dessa ação tão estruturante para a cultura brasileira e para a literatura em língua portuguesa. Ao Afonso Borges, que tem uma varinha mágica e transforma em sucesso tudo que toca, parabéns. Uma pela competência e cuidado com tudo que faz, incluindo a Equipe de produção treinada e cuidadosa com cada detalhe. Nessa retomada da Lei Rouanet, ações como essa mostram para sociedade brasileira a imprescindibilidade desse mecanismo de financiamento da cultura brasileira. Seguiremos aperfeiçoando nossa Lei, garantindo que ela seja a principal indutora desses encontros entre os fazedores da arte e cultura com seus mais diversos públicos, que devem ser realizados em todo o País. A Lei Rouanet é um ativo da cultura brasileira que não podemos perder, devemos, sim, aperfeiçoar. Contém todos conosco no Ministério da Cultura, em especial na Secretaria da Economia Criativa e Fomento Cultural (Sefic).

  • Teresa Borges

Obrigada a todos os convidados! Que energia cada um tem. Mesmo com o calorzão ninguém ficou desanimado! Muito amor envolvido!

  • Mia Couto

Parabéns ao Afonso e toda a equipe. Foram dias muitos felizes, cheios de encontros e abraçando e sendo abraçado pela cidade. Não havia melhor maneira de começar. Aos colegas e amigos escritores, foi muito bom estarmos juntos.

  • Conceição Evaristo

Particularmente, amei a oportunidade de pisar em Paracatu, onde passos de minhas e meus antigos se misturam, mesmo que imperceptíveis ao caminhar atual da cidade. Caminhei com a minha invisível gente. E creio que houve um júbilo, para além das palmas ouvidas, em cada canto da cidade, onde essa gente se encontra. Houve um reluzir de ouro nas mãos negras que foram sacrificadas no trabalho escravo fundador de Paracatu. Creio mesmo que eu não estava só. Amei. Repito, amei. Obrigada pela distinção. Grata por cada abraço dado e recebido.Tudo bom dimais…

  • Luiza Romão

Deixo meu agradecimento imenso por esses dias! Ainda estou inebriada pelos encontros, conversas e risadas! Parabéns aos curadores e a toda equipe de produção. Que seja a primeira de muitas edições!

  • Ricardo Ramos Filho

Acho que estamos todos ainda inebriados pelo afeto que rolou. Foi uma dose muito grande de carinho. Em cada abraço, gesto, fala. De minha parte fico lembrando, lembrando, não vamos esquecer nunca.

  • Marco Haurélio

Deixo também meu abraço,

Para Afonso, Sérgio e Tom.

Dizer que tudo foi bom

É justo e aqui o faço.

Dei um tempo no cansaço,

Vi a noite virar dia,

Me vesti de poesia,

E saí recompensado.

Povo bom, muito obrigado!

Adeus e até outro dia!

  • Calila das Mercês

Agradecida a todos por estes momentos de compartilhamentos de palavras e abraços. Foi bonito demais. Vida longa a Fliparacatu.

  • Flávio Garcia da Rocha

Em nome do Instituto Rouanet e pelo prazer pessoal desses dias, aproveito para agradecer a acolhida de Afonso e equipe nesse Fliparacatu maravilhoso, contente pelas novas amizades literárias e pessoais!

  • José Manuel Diogo

O amor é assim: atordoa. Amor é a palavra em que penso. Como no Perfume do Suskind, mas por boas razões!

  • Tino Freitas

Dias calorosos na Fliparacatu. Cheios de afeto, boas histórias e encontros mais que desejados. Nos diálogos propostos pela Fliparacatu, tive a oportunidade de aprender e partilhar com os/as colegas e com o público em dois encontros: o primeiro, numa conversa sobre Literatura, Educação e seus eixos transversos, o bate-papo foi com a dona do sorriso e das palavras preciosas, Luana Tolentino, vitaminado pela mediação precisa do querido Júlio Camilo; o segundo, foi um bate-papo sobre os caminhos da Literatura Infantil, com a palavra que chega como um balanço de rede da amada Márcia Kambeba, que nos abraça e embala (com uma sacudida precisa aqui e ali) e o olhar experiente e preciso do querido Ricardo Ramos Filho. A mediação foi do nosso curador, Rafael Nolli, sempre cuidadoso no preparo das poções cheias de reflexões que nos oferece. Obrigado, queridas e queridos. Foi uma alegria e uma honra partilhar a Literatura. Meu obrigado também ao público que foi nos assistir e contribuir com suas questões. Por fim, um muito obrigado a Afonso Borges, Tom Farias, Sérgio Abranches e toda a equipe da Fli. Não há lugar melhor para estar, quando o assunto é Literatura, que ao lado de vocês! Aqui, no Fliparacatu,  uma coisa que quase não aparece para o público em geral, é o talento, o empenho, o cuidado da equipe dos bastidores, da produção do evento. São tantos, que não dá para citar todos. Mas passa desde a turma da imprensa, para a turma do som e da imagem, a galera da logística, a turma da “empadinha”, a equipe da limpeza…

  • Zeca Camargo

Pensa em alguém feliz de estar num lugar especial, com pessoas especiais e ainda por cima pra falar de uma paixão: livros! Só posso agradecer o Fliparacatu.

O Festival Literário Internacional de Paracatu foi patrocinado pela Kinross, via Lei Rouanet, e com o apoio da Prefeitura Municipal de Paracatu, da Paróquia de Santo Antônio e do Projeto Portinari. Com a curadoria de Tom Farias, Sérgio Abranches e Afonso Borges, a sua primeira edição aconteceu entre os dias 23 e 27 de agosto de 2023, no Centro Histórico da cidade. ■

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui