Escritores premiados, jornalistas e ministra: conheça os autores presentes no FLIPARACATU

Fliparacatu - Festival Literário Internacional de Paracatu acontece de 23 a 27 de agosto no estado de Minas Gerais, Brasil

0
407
Curadoria será da responsabilidade de Tom Farias, Sérgio Abranches e Afonso Borges
- Publicidade -

A programação do Festival Literário de Paracatu – Fliparacatu, que vai decorrer, presencialmente, no Centro Histórico de Paracatu, Minas Gerais, Brasil, e, digitalmente, no YouTube, Instagram e Facebook em @‌fliparacatu, entre os dias 23 e 27 de agosto, vai contar a presença de grandes nomes do cenário literário brasileiro e internacional.

O evento, que conta com o patrocínio da Kinross, destaca-se por ser a edição de estreia desse Festival e vai homenagear os escritores Conceição Evaristo, Mia Couto e Afonso Arinos (1868-1916). Todas as atividades são gratuitas. O tema central será “Arte, Literatura e Ancestralidade”.

Conheça os participantes na programação nacional e internacional do Fliparacatu:

Adriana Abujamra

Adriana Abujamra é autora de perfis, reportagens e livros de não ficção desde os anos 2000. Colabora regularmente com o jornal Valor Econômico e escreveu para a revista Piauí e outros veículos. Publicou os livros “O que será”, com Jean Wyllys (Objetiva, 2019), e “Traços travessos” (Geração Editorial, 2003). Atuou como atriz e se graduou em psicologia.

Afonso Borges

Afonso Borges é jornalista, gestor cultural e escritor.  Criou, em 1986, o projeto “Sempre um Papo” Em 2012, o “Fliaraxá” (Festival Literário de Araxá) e, em 2021, o “Flitabira” (Festival Literário de Itabira) e, agora, o “Fiparacatu”,  dos quais também é Curador. É comentarista da Rádio Alvorada FM, com o programa “Mondolivro”.  Tem 6 livros publicados, entre eles, o infantil “O menino, o assovio e a encruzilhada” (Editora Nós) e o de contos, “Olhos de carvão” (em breve, pela Autêntica). É curador do Portal Mondolivro, em que reúne toda a sua produção intelectual e profissional. Atualmente, integra o Conselho de Cultura da Associação Comercial de Minas Gerais e a vice-presidência do Conselho da Organização Social SP Leituras – Associação Paulista de Bibliotecas e Leitura –, sediado em  São Paulo.

Albery Albuquerque

Albery Albuquerque é músico, compositor e pesquisador paraense. É o fundador de uma nova linguagem musical capaz de vocalizar os cantos dos pássaros. Albery também é conhecido pela pesquisa revolucionária sobre a Música Transmórfica. O pesquisador é alvo de atenção da mídia internacional, devido ao alto padrão das pesquisas aplicadas na arte e na ciência.

Alessandra Roscoe

Alessandra Roscoe é mineira de Uberaba, mas vive em Brasília desde os três anos de idade, é jornalista, escritora, mediadora de leituras, especialista em primeira infância e coordenadora do Uniduniler todas as Letras, projeto de incentivo às leituras afetivas e partilhadas desde o ventre e com públicos distintos. Cursou Jornalismo e Artes Cênicas, já publicou mais de 40 livros, foi finalista do Prêmio Jabuti em 2013, teve livros selecionados em catálogos internacionais, em listas de melhores publicações para a infância e traduzidos em inglês e espanhol. Com o Uniduniler todas as letras realiza projetos em todo o Brasil e também no exterior ( em 2013 foi convidada para o Festival In Other Words em Liverpool, na Inglaterra e em 2017, para uma residência artística no Berço das Artes/SAMP em Leiria, Portugal). Coordena e é curadora do Festival Itinerante de Leitura que realiza desde 2013 diversas ações de leitura com pessoas em vulnerabilidade social, em hospitais, creches, escolas, asilos, casas abrigo e sistema prisional. Em 2017 o Uniduniler todas as letras foi reconhecido pelo CERLALC, ligado à UNESCO, como um dos mais importantes projetos de incentivo à Leitura para a primeira infância da América Latina e Caribe. Em 2020, Alessandra Roscoe recebeu Prêmio Brasília 60, na categoria Literatura por seu trabalho e sua atuação.

Amosse Mucavele

Amosse Mucavele é poeta e jornalista cultural, coordenador do projeto de divulgação literária “Esculpindo a Palavra com a Língua”. Atuou como chefe de redação de “Literatas – Revista de Literatura Moçambicana e Lusófona”, diretor editorial do Jornal O Telégrafo, Editor Chefe do Jornal Cultural Debate, Editor de Cultura no Jornal ExpressoMoz, Colaborador do Jornal Cultura de Angola e Palavra Comum da Galiza – Espanha.

Ana Carolina Campos de Carvalho

De família paracatuense, nasceu em Brasília e cresceu em Itajubá, no sul de Minas, sempre com a certeza de que retornaria às raízes. É bacharel em Letras pela UFMG e mestre em Literatura de Expressão Inglesa, na linha Expressões da Alteridade, pela mesma instituição. Vive em Paracatu desde 2006. É professora da rede particular de ensino e conduz, ao lado da professora Daniela de Faria Prado, o perfil de dicas de língua portuguesa, @dicastirandodeletras, e a oficina de redação para alunos de escolas públicas – “ENEM te conto!”

Benedita dos Reis Soares Costa

Benedita dos Reis Soares Costa nasceu em Paracatu-MG, em 9 de novembro de 1939. Professora aposentada com exercício em Paracatu e Brasília, admitida por concurso público nas duas localidades. Fez o Ensino Primário na E. E. Afonso Arinos e formou-se como professora primária na Escola Normal Antônio Carlos, ambas em Paracatu. Posteriormente, fez o curso de Pedagogia na Faculdade de Patos de Minas, MG.No exercício do Magistério em Paracatu, exerceu a função de Inspetor Escolar e Diretor de Escola.É autora de dois livros publicados: “Passeio pelo tempo”, em 2009 e “Por causa de um sonho”, em 2016.É membro da ALNM- Academia de Letras do Noroeste de Minas, com sede em Paracatu, ocupante da cadeira nº 22, patroneada por Geraldo Serrano Neves, poeta mineiro, autor de uma coletânea de poemas muito apreciados pelos leitores e pela crítica.

Benedita Gouveia Damasceno Simonetti

Nasceu em Paracatu-MG, região aurífera do interior do Brasil que recebeu grande número de mão-de obra escrava. Ainda em Paracatu, cursou simultaneamente o Curso Normal oficial e o Curso Colegial Científico. Trabalhou com seu pai na venda de pipoca até os 22 anos, quando foi aprovada no vestibular da Universidade de Brasília. É licenciada em Língua Portuguesa e  Literatura da Língua Portuguesa  pela Universidade de Brasília. É mestre em Literatura pela Universidade de Brasília. Foi Diretora  de Estudos, Projetos e Pesquisas da Fundação Cultural Palmares. Foi Diretora da Faculdade de Artes Dulcina de Morais em Brasília-DF. Aprovada em concurso público, é Oficial de Chancelaria do Ministério das Relações Exteriores. A cargo do Itamaraty, foi diretora do então Centro de Estudos Brasileiros da Embaixada do Brasil em Roma, Itália. Exerceu as funções de adida cultural junto às Embaixadas do Brasil em Lagos, Nigéria,  de Luanda, em Angola e de Kingston, na Jamaica. Ministrou cursos de Língua Portuguesa e  Cultura Brasileira no Centro de Estudos Brasileiros da Embaixada do Brasil em Roma, Na Universidade de Lagos e no Campus Avançado da Universidade da West Indies de Kingston, na Jamaica. Serviu, ainda, na Embaixada do Brasil em Londres, no Consulado Geral do Brasil em Bruxelas, Bélgica,  na Embaixada do Brasil em Lomé, Togo e no Consulado Geral do Brasil em Paris. Sua dissertação de mestrado Poesia Negra no Modernismo Brasileiro, publicada no Brasil pela Pontes Editores  ( 2.ª ed.)  foi traduzida e publicada na Itália, na Espanha e na França. Faz parte da Academia de Letras do Noroeste de Minas e da Associação Nacional de Escritores.

Bianca Santana

Bianca Santana é jornalista, doutora em Ciência da Informação e mestra em Educação pela Universidade de São Paulo. Diretora executiva da Casa Sueli Carneiro, que compõe a Coalizão Negra por Direitos, também é comentarista do Jornal da Cultura e autora de “Quando me descobri negra” (Fósforo, 2023), “Arruda e guiné: resistência negra no Brasil contemporâneo” (Fósforo, 2022) e “Continuo preta: a vida de Sueli Carneiro” (Companhia das Letras, 2021).

Calila das Mercês

Calila das Mercês nasceu em Berimbau/Conceição do Jacuípe-BA e atualmente reside em São Paulo-SP. Poeta, jornalista, pesquisadora e doutora em Literatura pela Universidade de Brasília. Atua como pesquisadora pós-doc em programa coordenado pela catedrática Conceição Evaristo no Instituto de Estudos Avançados da USP. Possui textos literários em publicações brasileiras e internacionais. “Planta oração” é seu primeiro livro de contos.

Cármen Lúcia

Cármen Lúcia Antunes Rocha é natural de Montes Claros-MG. Obteve o título de mestre em Direito pela UFMG em 1982. Sua trajetória profissional é marcada pela ética e pelo comprometimento com o interesse público. No magistério na PUC Minas, onde lecionou Direito Constitucional, sempre se destacou pela defesa do regime democrático e da concretização dos direitos humanos. No exercício da advocacia do Estado de Minas Gerais, exerceu o cargo de Advogada Geral do Estado, em que participou da defesa dos interesses da população de Minas Gerais no caso da reassunção do controle acionário da Cemig pelo Estado. No exercício do cargo de ministra do Supremo Tribunal Federal, tem pautado sua atuação pela serenidade e pela independência que devem nortear todos que exercem a magistratura. Além de todas as virtudes apontadas, a Ministra Cármen Lúcia dá exemplar contribuição para construção da igualdade de gênero no País.

Conceição Evaristo

Conceição Evaristo, Autora Homenageada do Fliparacatu, nasceu em 29 de novembro de 1946, em Belo Horizonte, no estado de Minas Gerais. Trabalhou como empregada doméstica, se tornou professora e fez faculdade de Letras, além de mestrado e doutorado. Mas, apesar de consagrada como escritora, não foi eleita pela Academia Brasileira de Letras em 2018. A romancista, poeta e contista é autora de livros como “Ponciá Vicêncio”, seu romance mais famoso. Suas obras, pertencentes à literatura contemporânea, são caracterizadas pelo protagonismo feminino e pela denúncia de discriminação racial. Assim, são realistas e discutem questões de gênero e etnia.

Daniela de Faria Prado

Possui graduação em Letras pela Universidade Federal de Uberlândia (2002), mestrado em Linguística pela Universidade Federal de Uberlândia (2006) e doutorado em Linguística e Língua Portuguesa pela PUC-Minas (2018). Atualmente é professora do Instituto Federal do Triangulo Mineiro das disciplinas de Língua Portuguesa: Redação e Literatura. Participa do Grupo de Estudos em Letramentos, Linguagem e Formação – Nellf-PUC Minas. É membro do Grupo de Pesquisa e Estudos sobre a Pesquisa Tecnológica no IFTM do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro-IFTM, Campus Paracatu. É membro da Academia de Letras do Noroeste de Minas Gerais e atualmente assume a presidência desta instituição.

Danilo Miranda

Danilo Santos de Miranda é gestor cultural, sociólogo e autor nascido em Campos dos Goytacazes-RJ, em 1943. Destaca-se pelas ações realizadas como diretor regional do Serviço Social do Comércio (Sesc) em São Paulo, como a ampliação de atividades culturais, esportivas e educacionais. Escreveu obras como “O parque e a arquitetura: uma proposta lúdica” (1996) e “Para além das máquinas de adorável graça: cultura hacker, cibernética e democracia” (2018).

Eduardo Góes Neves

Eduardo Góes Neves é um dos maiores pesquisadores atuantes na região amazônica nos dias de hoje. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, é mestre e doutor em Arqueologia pela Universidade de Indiana e livre-docente pela USP, onde é professor titular. Elaborou o programa do Curso Superior de Tecnologia em Arqueologia da Universidade do Estado do Amazonas. Presidiu a Sociedade de Arqueologia Brasileira (SAB), entre 2009 e 2011, e compôs a diretoria da Sociedade de Arqueologia Americana (SAA), entre 2011 e 2014. É escritor das obras “Sob os tempos do Equinócio: 8.000 anos de história na Amazônia Central” e “Arqueologia da Amazônia”.

Eliana Alves Cruz

Vencedora do Prêmio Jabuti, em 2022, com seu livro “A vestida”, a carioca Eliana Alves Cruz é uma das mais destacadas escritoras brasileiras contemporâneas. Sua obra literária, que transita por diferentes gêneros como romance e conto, é marcada por abordar a história e a cultura afro-brasileiras. Eliana faz uso da ficção – muitas vezes embasada em fatos históricos – para falar sobre assuntos como racismo, desigualdade social, discriminação e pobreza. Ela é autora dos livros “Água de barrela” (2016); “O crime do Cais do Valongo” (2018); “Solitária” (2022); e “Nada digo de ti, que em ti não veja” (2020); além de coautora de “Perdidas: histórias para crianças que não têm vez” (2017).

Helen Ulhôa Pimentel

Nasceu em Paracatu-MG, é doutora em História pela UnB, com bolsa sanduíche na Universidade de Coimbra. Foi professora do departamento e do mestrado em História da Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes. Atraída pelas “astúcias” daqueles que buscavam formas de escapar aos enquadramentos oferecidos pelas normalizações, escolheu o Império português como lócus e dirigiu suas pesquisas para objetos como o casamento, a sexualidade, e as práticas mágicas. Busca na documentação perceber como as camadas populares resignificavam, se apropriavam e subvertiam as estruturas concebidas para sua sujeição. Possui trabalhos publicados em livros e revistas especializadas. Dedica-se à área cultural como membro da Academia de Letras do Noroeste de Minas, da Associação de Guias de Turismo do Noroeste de Minas, e da Associação dos Amigos da Cultura. Ocupa cadeira no conselho de Turismo, no Conselho de políticas culturais e na Agência de Desenvolvimento Sustentável de Paracatu. Atua como produtora cultural em projetos culturais.

Isaias Nery Ferreira

Enfermeiro, possui mestrado e doutorado em Ciências da Saúde pela UnB-DF. Pós-doutor em Promoção de Saúde – Ceam/UnB (2014). Membro da Academia de Letras do Noroeste de Minas. Atualmente professor colaborador do Ceam/Nesprom da Universidade de Brasília, professor da Faculdade Tecsoma/Finom, enfermeiro do Ministério da Saúde e responsável pelo Centro de Doenças Infecciosas de Paracatu-MG. Escreveu três livros, dez artigos científicos e crônicas em jornais de Paracatu. Maçom Grau 33 pelo GOB-MG.

Itamar Vieira Junior

Vencedor dos prêmios Leya, Oceanos e Jabuti, Itamar Vieira Junior nasceu em Salvador, na Bahia, em 1979. É geógrafo e doutor em Estudos eÉtnicos e Africanos pela UFBA. Seu romance “Torto arado” é um dos maiores sucessos — de público e crítica — da literatura brasileira nas últimas décadas, tendo sido traduzido em mais de vinte países, com futura adaptação para o audiovisual. Sua obra mais recente é “Salvar o fogo”, lançada em 2023.

Jeferson Tenório

Jeferson Tenório nasceu no Rio de Janeiro, em 1977. Radicado em Porto Alegre, é doutor em Teoria Literária pela PUC-RS. Foi colunista do jornal Zero Hora e UOL/Folha de S. Paulo até abril de 2023. Foi professor visitante de literatura na Brown University, EUA. Teve textos adaptados para o teatro e contos traduzidos para o inglês e o espanhol. É autor de “Estela sem Deus” (2018) e “O avesso da pele” (2020), que venceu o prêmio Jabuti e teve seus direitos vendidos para Portugal, Itália, Inglaterra, Canadá, França, México, Eslovaquia, Suécia, China, Bélgica e Estados Unidos.

Joana Silva

Joana Silva é autora do livro “As Lições que aprendi viajando e morando na China”. Formada em Psicanálise com Racialidade e Gênero, Especialização em Psicologia Organizacional e Graduação em Administração de Empresas pela Devry. Consultora na empresa Crescimentum com atuação em programas de desenvolvimento de lideranças, Coaching e Mentoring Executivo e Diretora de Parcerias e Estratégias do Instituto Di Jejê.

João Candido Portinari

João Candido Portinari é Ph.D. pelo Massachusetts Institute of Technology – MIT, Após se graduar em Engenharia de Telecomunicações na École Nationale Supérieure des Télécommunications em Paris, regressou ao Brasil em 1967 e se tornou professor na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Fundador do Departamento de Matemática da PUC-Rio e seu diretor entre 1968 e 1970, Portinari também é reconhecido pelo Projeto Portinari, um esforço multidisciplinar que busca catalogar e democratizar informações sobre a vida e obra do pintor Candido Portinari. João Candido acumulou inúmeras comendas e prêmios, incluindo o Prêmio Jabuti e a Ordem do Mérito Cultural, em reconhecimento ao seu trabalho acadêmico e cultural. Além disso, é cidadão-honorário em várias cidades brasileiras e na Itália.

José-Manuel Diogo

Graduado em Engenharia Mecânica e com licenciatura em Jornalismo pela Universidade de Coimbra, José-Manuel Diogo exerceu seu papel no estabelecimento de parcerias internacionais da Global Media, resultando na criação da primeira plataforma global em língua portuguesa. Além disso, completou o Programa de Alta Direção de Empresas da Aese e a pós-graduação em Gestão da Informação e Segurança. Com paixão pela literatura e língua portuguesa, dirigiu a comunicação de edições do festival Folio e criou o projeto “200 anos, 200 livros”. Fundou o Instituto Cultural “Associação Portugal Brasil 200 anos” e é diretor da Câmara Luso-Brasileira de Comércio e Indústria. Como colunista semanal, suas reflexões são publicadas em renomados veículos de Portugal, Brasil e Angola. Autor prolífico, escreveu sobre Steve Jobs e as agências secretas, enquanto atua como produtor cultural e consultor, focado em projetos nas áreas de cultura, comércio e tecnologia. Com um pé em cada lado do Atlântico, vive entre São Paulo e Lisboa, tendo três filhos.

Jamil Chade

Jornalista e escritor, Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, Chade vive na Suíça desde 2000. É autor de sete livros, três dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se. Chade é embaixador do Instituto Adus, conselheiro do Instituto Vladimir Herzog e membro da comissão de Liberdade de Expressão da OAB-SP.

Juliana Monteiro

Juliana Monteiro é jornalista e escritora nascida em Brasília, cidade onde manteve, por uma década, a livraria Rayuela, um espaço cultural em que foi livreira, fomentadora e curadora da produção de escritores e artistas em geral. Recentemente, lançou com o jornalista Jamil Chade o livro “Ao Brasil, com amor”, em que trocam cartas durante o período que vai do verão europeu pós-vacina até a véspera da eleição brasileira de 2022. Juliana mora atualmente em Roma e escreve para a Revista Pessoa, sediada em Portugal.

Kakay

Nascido em Patos de Minas, o mineiro Antônio Carlos de Almeida Castro (Kakay) é um advogado criminalista brasileiro graduado em Direito pela Universidade de Brasília. É colaborador da Comissão de Direitos Humanos da Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Distrito Federal, e do Conselho Federal da Ordem.

Lívia Sant’Anna Vaz

Promotora de Justiça no Ministério Público da Bahia, doutora em Ciências Jurídico-Políticas pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (2022) e mestra em Direito Público pela Universidade Federal da Bahia (2006), a soteropolitana Lívia Sant’Anna Vaz, de 43 anos, é um dos nomes mais atuantes e combativos na luta pela igualdade racial no País. Autora do livro “Cotas raciais”, entre outras obras, é casada e mãe de duas filhas, Isadora e Iara. Há oito anos como Promotora de Justiça de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa, Defesa das Comunidades Tradicionais e das Cotas Raciais do MP-BA, está entre as 100 pessoas de descendência africana mais influentes do mundo e tem sua trajetória jurídica marcada pela atuação em relação a temas como feminicídio, intolerância religiosa, combate ao racismo e ao sexismo, e na luta para que as mulheres negras tenham amplo acesso à justiça e a espaços de poder e decisão.

Luana Tolentino

Luana é doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), onde atua como pesquisadora do Núcleo de Estudos Interdisciplinares da Alteridade (Neia). Professora de História da Educação Básica desde 2008, tem se dedicado à formação inicial e continuada de professores. Além disso, ela é mestra em Educação pela Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop).

Ludimila Moreira 

É historiadora e doutora em literatura pela UnB. É colaboradora da Folha de S. Paulo como resenhista. Mantém a página de crítica de artes visuais e literatura no instagram, o perfil @aveelud

Luíza Romão

Poeta, atriz e slammer, Luiza Romão é autora dos livros “Sangria” (Selo Doburro), “Também guardamos pedras aqui” (Editora Nós, vencedor do Prêmio Jabuti de Melhor Livro de Poesia e Melhor Livro do Ano; e semifinalista do Prêmio Oceanos) e “Nadine” (Editora Quelônio). Bacharela em Artes Cênicas e mestra em Teoria Literária e Literatura Comparada (USP), pesquisa voz, poesia e performance.

Luna Laboré De Souza Santos

Nasceu em 16/8/1960 em Paracatu-MG. Estudou no Grupo Afonso Arinos e na Escola Antônio Carlos. Poetisa, cronista, contista, romancista. Livros publicados: “Você Já perdeu tempo demais”; “Enquanto a Amazônia chora” – romance; “Pandemia, realidade, emoções e resiliência” – lançado em março de 2023. Psicóloga Clínica, Terapeuta Sexual, Pedagoga, Orientadora Educacional, pós-graduada em Fitoterapia.

Márcia Kambeba

Márcia Kambeba é escritora, poeta, compositora, educadora, tem 5 livros publicados de poesia, contos e infantil. De formação, tem mestrado em Geografia e faz doutorado em Estudos Linguísticos/UFPA. Faz parte da Academia Formiguense de Letras, em Minas Gerais, e da Academia Internacional de Literatura Brasileira nos EUA. Também é roteirista e representou o olhar indígena na segunda temporada da série Cidade Invisível, produzida pela Netflix. Junto a Rita Carelli e Murilo, roteirizou o espetáculo musical “Amazônias: ver a Mata que te vê”. Também é atriz, cantora e compositora de música indígena e amazônica. Performa suas composições e recita em sarau suas produções escritas, levando a arte como ato político, democrático e decolonial, além de contribuir com a educação e o humanismo nos espaços dentro e fora das aldeias.

Marco Haurélio

Escritor, professor e divulgador das tradições populares, Marco Haurélio tem mais de 50 títulos publicados, a maior parte dedicada à literatura de cordel, gênero que conheceu na infância passada na Ponta da Serra, sertão baiano onde nasceu. Vários de seus livros foram selecionados pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) para o Catálogo da Feira do Livro Bolonha e receberam distinções, como os selos Seleção Catédra-Unesco (PUC-Rio) e Altamente Recomendável (FNLIJ). Recebeu, ainda, do Institute for Heritage, do emirado de Sharjah (EAU), a medalha de honra ao mérito por seu trabalho como pesquisador e divulgador dos contos populares. Finalista do Prêmio Jabuti, em 2017, na sua bibliografia destacam-se “Contos folclóricos brasileiros”, “Meus romances de cordel”, “Tristão e Isolda em cordel”, “A jornada heroica de Maria” e “Contos e fábulas do Brasil”. Ministra cursos sobre cordel, cultura popular, mitologia, contos tradicionais e contos de fadas em espaços dos mais diversos.

Marcos Sílvio Pinheiro 

Nasceu em Paracatu, é bacharel e mestre em Literatura Brasileira e Portuguesa pela UnB. Reside em Brasília desde 1971. Exerceu o magistério na UnB, na Universidade Católica de Brasília, na Secretaria de Educação do DF, Colégio Marista – Ensino Médio – e Colégio Dom Bosco. Participou da fundação do Colégio do Setor Oeste e da Cooperativa de Professores do Quilombo dos Palmares. Foi diretor do Sinpro- DF, Subsecretário da Secretaria de Educação do DF e Conselheiro do Conselho de Educação do DF e do Conselho de Cultura do DF. Membro da Academia de Letras do Noroeste de Minas e da Associação Nacional de Escritores – ANE.  Publicou: “Paracatu.com – Um encontro virtual”, com vários autores (ALMN, Paracatu, 2006); “Ribeirão do ouro” (romance) (ALMN, Paracatu, 2011); “Entre bares – Crônicas e ensaios (Sarau das Letras, Mossoró- RN, 2020).

Maria do Socorro Melo Martins 

Professora acadêmica da área de História da Arte e Cultura Brasileira, com especialização em Cultura e Arte Barroca pela Ufop. Presidente da Associação Amigos da Cultura. Vice-Presidente do Comphap. Integrante da Academia de Letras do Noroeste de Minas.

Matheus Leitão

Matheus Leitão Netto é escritor e jornalista, com especialização em jornalismo investigativo pela Universidade de Berkeley, na Califórnia, onde foi visiting scholar entre 2012 e 2013. Em 23 anos de carreira como jornalista, Matheus Leitão trabalhou em diversos veículos de imprensa, como revista Época, Portal IG, Correio Braziliense, Folha de S. Paulo, Rádio Globo e Portal G1. Atualmente, é colunista da revista Veja. Venceu as mais importantes distinções de jornalismo da América Latina, como os prêmios Esso, Embratel, Vladimir Herzog e o SIP, da Sociedade Interamericana de Imprensa. É também autor do best-seller “Em nome dos pais” e do documentário com o mesmo nome exibido na HBO, assim como do TEDx “O poder do diálogo e do perdão”.

Mia Couto

Mia Couto nasceu em 1955 na cidade da Beira, Moçambique. Interrompeu os estudos para se juntar à Frente de Libertação de Moçambique e iniciar a carreira de jornalista. Regressou à Universidade para se formar em Biologia e há mais de trinta anos que trabalha em consultoria e investigação ecológica em Moçambique. Publicou mais de 30 livros que estão traduzidos e editados em mais de trinta diferentes países. Recebeu dezenas de prémios na sua carreira, incluindo – por duas vezes – o Prêmio Nacional de Literatura, o prêmio Camões e o prêmio Neustad, considerado o prémio Nobel norte-americano. Foi finalista de um dos mais prestigiados galardões internacionais, o Man Booker Price. A sua trilogia “As areias do imperador” venceu o prémio Jan Michalsky na Suíça, o prémio Albert Bernard em França e o prêmio Manuel de Boaventura em Portugal. O seu romance “Terra Sonâmbula” foi considerado por um júri internacional reunido no Zimbábue como um dos 10 melhores livros africanos do século XX. É membro da Academia Brasileira de Letras. Ao lado da premiada escritora belo-horizontina Conceição Evaristo, Mia Couto é Autor Homenageado dessa primeira edição do Fliparacatu.

Míriam Leitão

Míriam Leitão é jornalista e escritora há 50 anos, com passagens por vários órgãos de imprensa do País. Desde 1991 está nas Organizações Globo como colunista do Globo, comentarista da TV Globo, da CBN, da Globonews, onde tem também um programa de entrevistas. Tem 14 livros publicados, entre eles sete infantis da Editora Rocco. Ganhou o Jabuti de Livro do Ano em 2012, com o “Saga brasileira” sobre a luta contra a inflação. Está lançando agora seu 15.° livro: “Amazônia na encruzilhada”, pela Editora Intrínseca.

Murilo Araujo Caldas

Jornalista desde 1994, foi fundador e editor do Jornal de Paracatu até o ano 2000. Com carreira em vários segmentos, atuou tanto na comunicação de grandes empresas quanto na assessoria de lideranças políticas como prefeitos, governadores, deputados e senadores. Desde 2012 é servidor público no Ministério da Saúde, onde atuou na assessoria dos ministros, tendo integrado comitivas brasileiras em várias partes do mundo, na saúde indígena e na atenção primária. Recentemente foi requisitado para a assessoria de comunicação da Secretaria-Geral da Presidência da República com atuação destacada nos Diálogos Amazônicos e Cúpula da Amazônia.

Nádia Gotlib

Nádia Battella Gotlib é professora aposentada da Universidade de São Paulo. Entre suas publicações, constam “Adolfo Casais Monteiro. Poesia e crítica de poesia” (1985), “Teoria do conto” (Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1985), “Tarsila do Amaral, a modernista” (1998, 5.ª ed. Sesc-SP, 2022). Publicou também “Clarice, uma vida que se conta” (1995, 7.ª ed. Edusp, 2013), biografia de Clarice Lispector com estudo de obra, e “Clarice fotobiografia” (2008, 3.ª ed., 2014), narrativa visual com cerca de oitocentas imagens. Esses dois livros foram publicados em espanhol, respectivamente na Argentina e no México. Organizou, entre outros, o livro “Retratos antigos. Esboços para serem ampliados, de Elisa Lispector” (2012, Editora UFMG), com texto da escritora até então inédito. Foi professora e pesquisadora em várias universidades do Brasil e de fora do país. Ocupou a cátedra de Estudos Brasileiros da Universidade de Buenos Aires e foi senior assistant member no Centro de Estudos Brasileiros da Universidade de Oxford. Atuou junto a instituições de fomento à pesquisa ligadas ao governo federal, como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. E foi coordenadora do Grupo de Trabalho A mulher na Literatura, vinculado à Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Letras e Linguística. Os artigos e ensaios publicados versam sobre temas como teoria do conto, literatura e pintura, relações entre ficção e autobiografia, análise e divulgação da produção literária e jornalística feita por mulheres.

Paloma Jorge Amado

Paloma Jorge Amado é uma escritora de crônicas e ilustradora de livros brasileira nascida em Praga, República Tcheca. É membro do Conselho da Fundação Casa de Jorge Amado desde sua criação em 1986, onde foi Presidente por dois anos, de 2001 a 2003. Na Unesco, em Paris, coordenou a Coleção Unesco de Obras Representativas, no Setor do Livro, por 4 anos. Trabalhou com política na Presidência da República, quando foi assessora internacional e assessora parlamentar, durante o governo do Presidente José Sarney. Pesquisadora de gastronomia, em especial da relação gastronomia e literatura, desde 1986, publicou três livros, sendo dois deles a partir de pesquisa sobre a obra de Jorge Amado. Participa de congressos e feiras gastronômicas, tem dado aulas de Culinária Brasileira na Escola Técnica de Gastronomia, de Cartagena de Índias, na Colômbia, em 2005; e de Culinária Baiana, Universidad El Claustro, na cidade do México, em 2006.

Paulliny Tort

Paulliny Tort nasceu em Brasília-DF. É jornalista e mestre em Comunicação e Sociedade pela UnB. “Erva brava” (Fósforo), seu primeiro livro de contos, foi vencedor do prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e finalista do prêmio Jabuti 2022. Estreou na literatura em 2016, com o romance “Allegro ma non troppo” (Oito e Meio), semifinalista do Prêmio Oceanos de Literatura.

Paulo Scott

Paulo Scott nasceu em Porto Alegre, é autor, dentre outros, do livro de contos “Ainda orangotangos”, dos romances “Marrom e amarelo” e “Habitante irreal” e do livro de poesia “Luz dos monstros”. Seus textos estão publicados em Portugal,  na França, Inglaterra, Croácia, Alemanha, Rússia, nos países árabes, na Argentina, no México, nos Estados Unidos e na China.

Pedro Pacífico

Pedro Pacífico é advogado formado pela USP e com LLM na New York University. Em meados de 2017, criou o @book.ster que conta com mais de 400 mil seguidores no Instagram e é responsável pelo podcast Daria um Livro. Foi escolhido pela Forbes Br para integrar a lista de 30 Under 30 e já apresentou dois TEDx sobre como tornar a leitura um hábito diário e o poder de transformação dos livros. Em 2023, publicou o seu primeiro livro, “Trinta segundos sem pensar no medo: memórias de um leitor”, pela Editora Intrínseca.

Rafael Nolli

Rafael Nolli é natural de Araxá-MG. Professor, formado em Letras e Geografia, publicou livros de prosa e poesia, com destaque para “Gertrude sabe tudo” (obra infantojuvenil de 2016) e “Isca” (poemas, 2022). Conquistou o 3.º Prêmio Cepe Nacional de Literatura, com a obra “Achados e perdidos”. É um dos curadores do Fliaraxá – Festival Literário de Araxá – e participa regularmente do projeto “Sempre um Papo”, em que já mediou mesas com Valte Hugo Mãe. Ungulani Ba Ka Khosa, Aline Bei, Aroeira, Tino Freitas, Leo Cunha, dentre outros.

Renato Noguera

Renato Noguera é doutor em Filosofia pela UFRJ e tem mestrado em Filosofia e Epistemologia da Psicanálise pela UFSCar. Ele desempenha papéis distintos como professor associado nos programas de pós-graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares, bem como em Filosofia na UFRJ. Sua pesquisa abrange desde liderar o Laboratório de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas (Leafro) até coordenar o Grupo de Pesquisa Afroperspectivas, Saberes e Infâncias (Afrosin). Noguera também é ensaísta e é o autor de obras como “Ensino de Filosofia e a Lei 10639”, “Por que amamos: o que os mitos e a filosofia têm a dizer sobre o amor” e “O que é o luto?”, que exploram interseções entre filosofia, cultura e emoções profundas.

Ricardo Prado

Carioca, regente e compositor, Ricardo Prado esteve sempre dedicado a suas duas outras paixões: literatura e educação. Ele dirigiu a Escola de Música Villa-Lobos – a maior do País –, além de outras instituições artísticas e culturais. Seus dois primeiros romances, “Leo e as caixas de música” e “Leo e o mistério da revolução”, foram adotados por redes públicas de ensino em todo o Brasil e pelo PNLD – Plano Nacional do Livro Didático. Desde 2018, prepara um ambicioso projeto literário que tem como personagens os três maiores compositores brasileiros: José Maurício Nunes Garcia (1767-1830), Carlos Gomes (1836-1896) e Heitor Villa-Lobos (1887-1959).

Ricardo Ramos Filho

Ricardo Ramos Filho é escritor, professor de Literatura e orientador literário. Graduado em Matemática pela PUC-SP e doutor em Letras pela USP, ministra cursos e oficinas. É presidente da União Brasileiras de Escritores (UBE) e, como sócio-proprietário da Ricardo Filho Eventos Literários, atua como produtor cultural. Publicou vários títulos infantis e juvenis, como “Computador sentimental” (1992), vencedor do Prêmio Adolfo Aizen, “O livro dentro da concha” (2011), selecionado para o catálogo FNLIJ para a Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha em 2012, “Feiticeira” (2014) e “Maria vai com poucas” (2018), além de livros adultos, como “Conversa comigo” (2019), de crônicas.

Sérgio Abranches

O sociólogo, cientista político e escritor Sérgio Abranches nasceu em Curvelo, em 1949. É graduado em Sociologia pela Universidade de Brasília (UnB) e pós-doutor em Ciência Política na Universidade Cornell (EUA). Atuou como professor visitante do Instituto Coppead de Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É autor de livros como “O pelo negro do medo” (Record, 2012), “Que mistério tem Clarice?” (Biblioteca Azul, 2015), “A era do imprevisto: a grande transição do século XXI” (Companhia das Letras, 2017) e “Presidencialismo de coalizão: raízes e evolução do modelo político brasileiro” (Companhia das Letras, 2018), finalista do prêmio Jabuti na categoria ensaio/humanidades.

Silvana Gontijo

Silvana Gontijo é escritora, diretora de arte, consultora de moda, desenhista industrial, cenógrafa, jornalista, roteirista. Está à frente do planetapontocom, uma organização que busca soluções para a educação de crianças e jovens por meio de experiências divertidas e prazerosas.

Silvano Alves de Avelar

Paracatuense, nascido em 5/11/1956, casado, professor, advogado, graduado em Letras e Direito, pós-graduado em Metodologia da Educação. Lecionou Língua Portuguesa, Literatura Brasileira e Redação em várias escolas estaduais, no Cefet e em escolas particulares de Paracatu. Foi também professor de várias disciplinas, tais como: Direito Administrativo, Direito Civil, Direito do Trabalho, IED, Português Instrumental, Filosofia, Sociologia e Antropologia na Faculdade Finom e Uni-Atenas, nos cursos de Direito, Geografia e História. Atuou também como Coordenador do Núcleo de Práticas Jurídicas da Finom. Foi pregoeiro e Superintendente de Licitações no Município de Paracatu. É compositor, seresteiro, instrumentista e poeta, sendo autor de várias músicas religiosas, de paródias educativas e marchinhas carnavalescas sobre Paracatu. Foi vereador e, dentre tantas leis que beneficiam a educação e a cultura, é o autor da Lei que instituiu a Bolsa de Produção literária. Recentemente eleito por unanimidade para o quadro de associados da Academia de Letras do Noroeste de Minas

Simone Paulino

Simone Paulino é jornalista, escritora, editora. mestre em Teoria Literária e Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo (USP), escreveu vários livros, entre eles, “Abraços negados em retratos” (2019), “Como Clarice Lispector pode mudar sua vida” (2017) e “O sonho secreto de Alice” (2013). Participou das antologias de contos “Grafias urbanas, histórias femininas, olhar Paris e escrever Berlim”. Em 2015, criou a Editora Nós. E em 2022, a Nossa Éditions.

Socorro Acioli

Socorro Acioli nasceu em Fortaleza, em 1975, onde ainda mora. É jornalista e escritora, com mestrado em Literatura Brasileira e doutorado em Estudos de Literatura na Universidade Federal Fluminense, no Rio de Janeiro. Iniciou a carreira em 2001 e desde então publicou livros de diversos gêneros, como as biografias de Frei Tito e Rachel de Queiroz, pela Edições Demócrito Roca, e também a da célebre personagem Emília, a boneca de pano, pela Casa da Palavra, sem contar a mais de uma dezena de livros de contos e romances infantojuvenis, alguns deles premiados e publicados em países como Estados Unidos, Reino Unido, França e Bolívia.

Taiasmin Ohnmacht

Taiasmin Ohnmacht, escritora e psicanalista, publicou os livros “Ela conta ele canta” (Cidadela, 2016), “Visite o decorado” (Figura de Linguagem, 2019), “Vozes de retratos íntimos” (Taverna, 2021), romance vencedor dos prêmios Ages e Açorianos de Literatura. Foi finalista nos prêmios Jabuti, São Paulo de Literatura e Academia Rio-Grandense de Letras. Seu trabalho mais recente é “Uma chance de continuarmos assim” (Diadorim).

Tarzan Leão 

Nasceu em 1965, na cidade de Ipueira-RN. No ano de 86 deixou o Grande Estado do Sertão e, em terras mineiras, fez-se frade dominicano, largando o hábito seis anos depois. Membro da Academia de Letras do Noroeste de Minas, é diplomado em Filosofia pelo CES-UFMG, especialista em teologia bíblica e sistemática pelo Centro Presbiteriano de Pós-graduação Andrew Jumper e pastor presbiteriano. Autor de 11 livros, é casado com Ana de Freitas Leão, são pais de Sandino Martí e Jó Mateus.

Tino Freitas

Tino Freitas, nascido em Fortaleza, é autor de mais de 40 livros voltados para o público infantil. Vários deles receberam importantes reconhecimentos, como o Prêmio Jabuti e o Selo Altamente Recomendável para Crianças, da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ). Suas obras caracterizam-se pelo humor, a crítica social e o experimento com o objeto livro enquanto importante elemento condutor da narrativa. Além de escritor e contador de histórias, ele é também jornalista e atuou como mediador de leitura do projeto Roedores de Livros por mais de quinze anos.

Thiago Albuquerque

Thiago Albuquerque é compositor, músico e pesquisador, tecnólogo em rede de computadores, produtor musical, diretor musical e técnico de áudio, no que diz respeito à gravação, edição, mixagem, masterização de som (CDs). Pesquisa, ao lado de seu pai, Albery Albuquerque, sobre as vocalizações dos animais da Floresta Amazônica aplicadas à música.

Tom Farias

Tom Farias é jornalista, escritor, crítico literário e professor, com especialização em Literatura do final do século XIX. Além de “Carolina, uma biografia”, é autor de outros livros sobre personalidades negras brasileiras, como José do Patrocínio, importante figura do movimento abolicionista (“José do Patrocínio, a pena da abolição”, de 2019) e o poeta Cruz e Sousa, considerado um dos fundadores do simbolismo (“Cruz e Sousa: Dante Negro do Brasil”, de 2008). Também é autor de romances, ensaios, artigos e roteiros. Seu trabalho mais recente é o romance “Toda fúria”, lançado em 2023.

Trudruá Dorrico

Trudruá Dorrico pertence ao povo Makuxi. Doutora em Teoria da Literatura na PUCRS, é escritora, artista, palestrante e pesquisadora de literatura indígena. Venceu em 1.º lugar o concurso Tamoios/FNLIJ/UKA de Novos Escritores Indígenas em 2019. Administradora do perfil @leiamulheresindigenas no Instagram. Curadora da I Mostra de Literatura Indígena no Museu do Índio (UFU). Autora da obra “Eu sou Macuxi e outras histórias” (Caos e Letras, 2019). Curadora do FeCCI – I Festival de Cinema Indígena, Brasília (2022). Foi residente no Cité Internationale des Arts, Paris (2023). Atualmente está no pós-doutorado do Programa de Desenvolvimento da Pós-Graduação Emergentes e em Consolidação PDPG – Pós-Doutorado Estratégico/UFRR (2023-2024).

Zeca Camargo

Zeca Camargo é apresentador e jornalista brasileiro, tendo iniciado sua carreira na década de 1980 como escritor para a Folha de S. Paulo e se destacado na MTV Brasil nos anos 1990. Atuou na TV Cultura, editorias na revista Capricho e na Folha, antes de ingressar na TV Globo em 1996, onde integrou o Fantástico até 2013, além de apresentar o reality show No Limite e programas como Vídeo Show e É de Casa. Autor de diversos livros, incluindo “A fantástica volta ao mundo” (2014) e “Elza” (2019), uma biografia da cantora Elza Soares, Zeca Camargo, depois de deixar a Globo, assumiu a apresentação do programa O Melhor da Noite, na Band.

Localização e antevisão dos espaços

Com uma programação nacional, internacional, local e regional diversificada, inclusiva e plural, todas as atividades do Festival Literário Internacional de Paracatu serão realizadas no Centro Histórico da cidade.

Confira o vídeo exclusivo com uma visão detalhada dos locais onde ocorrerão os eventos. O vídeo também oferece uma prévia dos cenários e ambientes planejados que ambientam cada espaço, além de uma noção clara da disposição geral do evento. Prepare-se para uma pequena viagem real-digital sobre o Festival Literário Internacional de Paracatu, patrocinado pela Kinross, via Lei Rouanet, e com apoio da Prefeitura e Paróquia Santo Antônio.

Segundo apurámos, além das atividades literárias, o Fliparacatu também oferecerá atrações infantis e juvenis, sob a curadoria do escritor e professor Rafael Nolli, lançamentos de livros, espetáculo de dança, oficinas, concertos musicais e uma feira gastronómica, proporcionando uma “experiência cultural completa aos participantes”. Uma grande livraria integra a estrutura do evento.

O Festival Literário de Paracatu, que conta com a curadoria de Tom Farias, Sérgio Abranches e Afonso Borges, é patrocinado pela Kinross, via Lei Federal de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura, e tem o apoio da Prefeitura Municipal de Paracatu, da Paróquia de Santo Antônio e do Projeto Portinari.

A programação do festival completa pode ser conhecida em www.fliparacatu.com.br 

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui