Empresárias brasileiras conheceram as potencialidades do Interior de Portugal durante missão “Sebrae Delas”

Ecossistema empresarial português “desvendado”

0
135
Grupo conheceu cenários culturais e privilegiou network
- Publicidade -

Visitas técnicas, networking, conferência e contacto com o património cultural e gastronómico. Foram estes os pilares da missão “Sebrae Delas” organizado em Portugal pela Câmara de Comércio da Região das Beiras, em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) de Santa Catarina, no Brasil. Uma iniciativa que levou ao Interior de Portugal mais de uma dezena de empresárias brasileiras que “aprimoraram competências em gestão, marketing, estratégias e negócios”, além de terem tido a oportunidade de conhecer o ecossistema empresarial português.

A Missão “Sebrae Delas”, que decorreu entre os dias 11 e 13 de novembro, contou com um programa diversificado, que incluiu passagens por várias localidades portuguesas, como Fátima, Batalha, Luso, Buçaco e Miranda do Corvo, terminando com uma conferência no município da Mealhada, quando diversos empresários e gestores trocaram experiências com o grupo brasileiro. No Espaço Inovação Mealhada, onde aconteceu a conferência “Portugal – Brasil: Fomentando Parcerias e Oportunidades de Negócios entre a Região das Beiras e o Brasil”, estiveram autoridades como a vice-presidente da Câmara Municipal da Mealhada, Filomena Pinheiro; a vice-presidente do Turismo do Centro de Portugal, Anabela Freitas; António Albuquerque, Diretor do Departamento de Desenvolvimento Económico, Empreendedorismo, Competitividade e Investimento na Câmara Municipal de Coimbra; Diva Pavesi, presidente da Divine Académie de Letras, Artes e Literatura de Paris; António Franco, presidente da Câmara Municipal da Mealhada; Marilene Rodriguês, vice-presidente da Câmara Municipal de Miranda do Corvo; Manuel Araújo, presidente do Conselho Municipal de Quelimane, em Moçambique; entre outros. Um concerto pela paz em Miranda do Corvo, as termas do Hotel de Luso e as visitas pelas Caves Aliança e Messias aguçaram a curiosidade das participantes.

A missão entre Brasil e Portugal ficou marcada ainda pelo desafio constante de interação entre as culturas empresarias dos dois países. A viagem a Portugal resultou em mais um passo na estratégia do Sebrae/SC no desenvolvimento das competências do seu público.

“Há mais de quatro anos, o Sebrae resolveu olhar diferente as necessidades e as oportunidades da mulher empreendedora. E foi por isso, justamente, que a gente criou o “Sebrae Delas”, em que a gente olha o desenvolvimento dessa mulher de três formas: desenvolvimento como ser humano, como empreendedora e toda a parte de competências. A gente desenvolve também o negócio dela ou o projeto que ela quer realizar ao longo da vida. O terceiro pilar é justamente a questão da rede em que ela está inserida, gerando conexões no ecossistema do empreendedorismo feminino”, explicou Marina Barbieri, analista de Negócios do Sebrae/SC e coordenadora da Missão em Portugal.

Esta responsável revelou que, nos quatro anos de funcionamento do programa “Sebrae Delas”, foram impactadas mais de 70 mil mulheres. O destino Portugal, tendo como pano de fundo o Web Summit, em Lisboa, é apenas mais um dos produtos que o Sebrae oferece.

“É um produto diferenciado do “Sebrae Delas”, uma missão piloto. (…) As empresárias vieram buscar não só conhecimento, mas, também, oportunidades de negócio”, avançou Barbieri, que avaliou positivamente esta iniciativa em solo luso.

“Primeiro que 98% dessas mulheres nunca estiveram em Portugal e em nenhuma das regiões que visitamos. Então, é uma mudança de mindset, é uma visão diferenciada, uma vivência em que elas mudam realmente as perspetivas, o olhar que elas têm para isso, pois vivenciam outras experiências e são capazes de analisar o que faz sentido levar para os seus negócios, mas também olhar com o olhar de oportunidade”, destacou a coordenadora da Missão, que disse, ainda, esperar que o “Sebrae Delas” cresça e que o número de mulheres à frente de negócios no Estado de Santa Catarina também se fortaleça.

“Queremos fazer com que essas mulheres sejam protagonistas do seu negócio, possam tomar decisões acertadas, decisões conscientes, e de posse de todas as informações necessárias e que possam impactar positivamente a nossa economia. (…) Portugal sempre faz sentido no quesito Brasil, pela questão da língua. Mas, nós, como Sebrae, já temos relacionamento muito próximo, então, quando escolhemos Portugal para esta missão foi porque a gente quis potencializar o contacto com o ecossistema português. O Sebrae de Santa Catarina está apoiando 40 empreendedoras, mas, a nível de Brasil, a gente está com 250. Então, elas também vão fazer esse relacionamento entre as próprias empresas brasileiras e com perspetivas de negócios para o exterior, o que é extremamente positivo”, finalizou Marina Barbieri.

Para Ana Correia, presidente da Câmara de Comércio da Região das Beiras, o encontro das empresárias brasileiras com o ecossistema empresarial português foi “extremamente positivo”.

“Isto é fruto do trabalho que foi feito pela Câmara de Comércio que levou as Beiras até Santa Catarina este ano, e, depois, de terem visto o nosso trabalho. Fomos contatados e resultou na vinda desta grande missão composta por mulheres empreendedoras que conheceram a região Centro de Portugal. A nossa missão nesta iniciativa é fazer um triângulo de conexão entre Portugal, Brasil e África e tem sido este o nosso objetivo. Temos contribuído para trazer mulheres, homens e empresários ao Interior de Portugal. E, quando se fala no Interior de Portugal, não quer dizer que existe, efetivamente, um Interior desertificado, mas um Interior de alta intensidade e há regiões de oportunidades”, afirmou Ana Correia.

A troca de experiências entre o mercado empresarial do Brasil e de Portugal foi outro ponto apontado pelos demais parceiros desta missão.

“É muito bom ver mulheres do Brasil que já são empresárias vindo a Portugal trocar experiências com empresários locais. Os negócios no Brasil tendem a ter uma aceleração diferente, pois o timing, na América do Sul, é diferente. (…) Se as mulheres do Brasil têm uma mentalidade e as mulheres daqui têm outra mentalidade, tudo se enriquece com esta troca”, enfatizou Sónia Crisóstomo, empresária luso-brasileira e embaixadora master do Clube Mulheres de Negócios de Portugal.

No final dos três dias de programa, as empresárias brasileiras cumpriram agenda no Web Summit, em Lisboa, em mais um capítulo desta experiência internacional.

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui