Daniel Bastos destacou importância das comunidades portuguesas no “INstantes”

O investigador destacou o papel e a importância das comunidades portuguesas

0
166
O historiador Daniel Bastos (esq.), acompanhado do fotógrafo Pereira Lopes, fundador e diretor do INstantes, no decurso da apresentação do livro “Crónicas – Comunidades, Emigração e Lusofonia”
- Publicidade -

O historiador Daniel Bastos, que ao longo dos últimos anos tem publicado vários livros no domínio da História e Emigração, cujas sessões de apresentação o têm colocado em contacto estreito com a diáspora portuguesa, apresentou no dia 14 de maio, o seu novo livro “Crónicas – Comunidades, Emigração e Lusofonia” no INstantes – Festival Internacional de Fotografia de Avintes.

No decurso da 9.ª edição de um dos eventos culturais de referência no panorama nacional, que ano após ano se tem enriquecido com diversas propostas dentro do mundo da fotografia artística, conceptual e de autor, o escritor, que além da apresentação do seu mais recente livro que reúne os textos que tem escrito nos últimos anos em diversos meios de comunicação dirigidos para as comunidades lusas, proferiu uma palestra onde abordou a história da emigração portuguesa.

Ao longo da sua comunicação, o investigador destacou o papel e a importância das comunidades portuguesas, genuínas embaixadas de Portugal no mundo, e recordou a figura do saudoso fotógrafo franco-haitiano Gérald Bloncourt, que imortalizou a epopeia da emigração lusa para França nos anos 1960, e com quem o autor realizou os livros “O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores” e “Dias de Liberdade em Portugal”.

Historiador, escritor e professor, Daniel Bastos é atualmente consultor do Museu das Migrações e das Comunidades, sediado em Fafe, e da rede museológica virtual das comunidades portuguesas, instituída pela Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas, que pretende criar uma plataforma entre diversos núcleos museológicos, arquivos e coleções respeitantes à história e à memória, à vida e às perspetivas de futuro dos portugueses que vivem e trabalham fora do seu país. ■

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui