Berna: Pedro Rodrigues pretende valorizar as comunidades portuguesas através da fotografia

“a fotografia é um meio de expressão pessoal que me permite entrar em mundos estrangeiros”

0
50
Pedro Rodrigues, artista visual
- Publicidade -

A nossa reportagem conversou com Pedro Miguel Correia Rodrigues, português que vive e trabalha como artista visual na Suíça, tendo conquistado bastante notoriedade pública recentemente, após apresentar novos projetos que ganharam espaço na comunicação social local, portuguesa e internacional.

Procuramos desvendar as memórias das suas origens, “que ainda hoje influenciam o trabalho fotográfico” deste cidadão, que diz viver no país desde muito cedo e que encontrou na comunidade portuguesa local a oportunidade de desenvolver um projeto fotográfico único e de referência internacional. Este jovem luso, de 33 anos, tem o intuito de valorizar todo o trabalho em prol da dinamização da imagem de Portugal neste país helvético.

Pedro Rodrigues falou sobre a sua experiência profissional e pessoal, mencionou a forma como vive Portugal na Suíça e explicou a imagem que tem deste país helvético.

Como iniciou nesta profissão?

Após a escola, completei com sucesso dois estágios profissionais. Aos 22 anos, comecei o meu próprio negócio. Entretanto, completei um exame profissional superior em fotografia e assisti vários fotógrafos na Suíça e na Alemanha.

Onde vive na Suíça?

Eu cresci no Valais, mais precisamente na aldeia de montanha de Saas-Fee. Devido à minha educação, já vivi em Zurique e Biel. Durante os últimos cinco anos, tenho vivido na capital Berna. Nasci em Portugal e vim para a Suíça quando era criança pequena. Vivi na Suíça toda a minha vida.

Como é a vida no país?

Descreveria a vida na Suíça como boa. Há muitas oportunidades e vários apoios para pessoas criativas como eu. No entanto, o mercado da fotografia é altamente competitivo. Além disso, a vida é muito cara.

Que imagem os portugueses têm na Suíça?

A comunidade portuguesa é um dos maiores grupos de estrangeiros na Suíça. Na minha opinião, os portugueses são indispensáveis na Suíça. Muitos deles são ativos no setor dos serviços e contribuem muito para o funcionamento do país, bem como para a sua riqueza.

De onde é em Portugal?

Sou originário de São Bartolomeu de Messines, uma vila portuguesa do município de Silves.

Vive com a sua família?

Vivo num apartamento partilhado em Berna.

Que imagens melhor “captou” nos últimos tempos no âmbito da sua profissão?

Realizei algumas boas imagens na minha carreira como fotógrafo. Mas, o que me resta acima de tudo são os vários encontros maravilhosos com pessoas que tenho vivido através da fotografia.

Que projetos mais lhe renderam notoriedade pública?

Foi a exposição “Aussichten” com o meu trabalho Gletscherspuren. A forma invulgar, imagens foram mostradas num comboio em movimento, teve grande ressonância na Suíça e também para além das suas fronteiras. Foi relatado na China, Japão, Taiwan, Inglaterra e Alemanha.

E qual trabalho foi o mais prazeroso?

Todos os meus projetos freelance são divertidos, porque vêm de uma motivação pessoal e eu sou completamente livre na implementação.

Como a fotografia entrou na sua vida?

A minha mãe teve certamente uma influência, pois tinha-nos fotografado regularmente na infância e, a dada altura, desenvolvi um interesse pela fotografia. Fui apoiado pela minha família e pelo meu ambiente para seguir este caminho.

O que significa para si fotografar?

Para mim, a fotografia é um meio de expressão pessoal que me permite entrar em mundos estrangeiros. Isto resulta em muitas oportunidades de encontros e interações com a sociedade e outras pessoas.

Ao olhar para o seu dia a dia, que imagens dariam uma boa foto?

Uma boa imagem deve ser capaz de desencadear em mim uma certa emoção ou transmitir uma história / mensagem.

Como as pessoas podem ver o seu trabalho e onde lhe podem encontrar?

Há várias maneiras de o fazer. Digitalmente, alguns dos meus trabalhos são visíveis no website www.pedrorodrigues.ch e, também, no Instagram em pedrorodriguesfotografie. Ainda realizo exposições dos meus projetos que são abertas ao público. Este ano, em Visp, Olten e Zurique.

Que trabalhos tem agora pela frente?

A partir de janeiro, serei financiado pelo Cantão do Valais e receberei uma residência durante seis meses em Berlim. Aí, posso trabalhar em dois dos meus projetos gratuitos e desenvolvê-los ainda mais.

Trabalha mais com suíços ou portugueses?

Como fui o único adolescente português durante muito tempo na minha juventude, tive e ainda tenho uma rede maior com os suíços. Mas gosto sempre de trabalhar com o povo português.

Tem projetos específicos voltados para os portugueses que residem na Suíça?

Um dos projetos é “Bom Dia Zermatt” – a vida dos meus pais motivou-me a fazer este projeto. Muitas línguas diferentes são ouvidas nas ruas de Zermatt. O português é um deles. Uma língua, contudo, que não é falada pelos muitos turistas, mas pelos muitos trabalhadores convidados da aldeia. Para fazer face ao turismo de massas, a construção turística depende de muitos trabalhadores, na sua maioria, estrangeiros. Em Zermatt, principalmente português. Dos cerca de 5.460 aldeões, 950 portugueses vivem em Zermatt e outros 580 na aldeia vizinha de Täsch. A maior parte desta comunidade estrangeira trabalha na indústria hoteleira, principalmente na manutenção da casa. São estas pessoas que mantêm a atmosfera de hotel de aspecto puro e mantêm os quartos com bom aspecto sem aparecerem. Devido a este aspeto impessoal, também não há associação com pessoas. A sala limpa é considerada como um dado adquirido. Estas são pessoas que procuram a felicidade financeira num ambiente estranho. Muitos vêm por um período indefinido, alguns ficam para toda a vida. A força motriz é sempre o regresso ao país de origem, o qual, no entanto, permanece muitas vezes inalcançável devido ao compromisso financeiro. Isto deixa apenas a época dos ombros, quando a maioria dos portugueses regressa à sua terra natal e são capazes de apagar um pouco as suas saudades de casa, saudade. São as mulheres e os homens que representam a comunidade portuguesa em Zermatt e fazem sentir a sua presença através deste trabalho.

Interage com a comunidade portuguesa e com o movimento associativo no país?

Um dos meus maiores projetos na Suíça é sobre a comunidade portuguesa. Através disto, tenho contato com alguns portugueses que vivem na Suíça.

O que pensa sobre Portugal?

Embora viva e tenha crescido na Suíça, tenho desejos por Portugal. Antes de mais, a mentalidade, a comunicação aberta e também o clima e a paisagem são muito diferentes da Suíça.

Pensa regressar a Portugal algum dia?

Gostaria de viver em Portugal durante alguns meses, num futuro próximo, para implementar vários projetos. Mas não consigo imaginar regressar completamente neste momento.

Que mensagem deixa para quem ainda não conhece o seu trabalho?

Através do meu trabalho, tenho a oportunidade de muitos encontros e interações com diferentes pessoas, destinos. É sempre importante para mim implementar uma fotografia respeitosa que faça justiça ao povo e que contenha uma mensagem na série / imagem. A fotografia é um meio muito pessoal e uma parte do caráter do fotógrafo flui sempre para o seu trabalho. ■

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui