Até as quartas e só; Brasil e Portugal despediram-se do Mundial em tom de frustração

Seleções tiveram os principais craques contestados, campanhas parecidas e deixaram a desejar na competição

0
76
Tristeza nas duas seleções
- Publicidade -

Ficaram pelos quartos de final. Brasil e Portugal tiveram campanhas parecidas no Mundial do Catar. As duas equipas se classificaram em primeiro lugar nos respetivos grupos, com os mesmos números de pontos na fase de grupos, mas ficaram na segunda jornada eliminatória.

A jovem geração de Portugal e do Brasil contou com a presença de velhos conhecidos dos adeptos. Do lado português, Pepe e Cristiano Ronaldo. Do lado brasileiro, Neymar, Thiago Silva e Daniel Alves. Embora multicampeões ao longo da carreira como atletas, medalhões chegaram contestados ao Médio Oriente. Por conta da idade, Daniel Alves, Thiago Silva e Pepe sofreram pressão popular. Cristiano Ronaldo, em má fase no Manchester United na época, e Neymar, pelos seus posicionamentos políticos, foram ao Mundial na missão de se provarem como os craques que sempre foram. Mas a missão era complicada, e a queda foi dura.

Neymar desabafou nas redes sociais com companheiros de equipa, e escreveu uma carta aberta ao Tite, que deixará o comando da Seleção em 2023.

“Você sempre será um dos melhores treinadores que eu já tive ou terei, sempre irei te exaltar. Tivemos momentos lindos, mas também tivemos momentos que nos machucaram muito e este último vai nos machucar por muito tempo. Você merecia ser coroado com essa copa, todos nós merecíamos por tudo que fizemos e por tudo que abrimos mão para tentar alcançar o nosso maior sonho. Mas Deus não quis assim, paciência. Deus nos deu TUDO!”, disse Neymar.

Facto é que as seleções passarão por reformulações. Aos 37 anos, Cristiano Ronaldo não é certeza no próximo Mundial. O astro enfrenta um momento conturbado em 2022 e está atualmente sem clube. Neymar segue no PSG e a Champions League continua sendo a “obsessão” do jogador. Mas a Seleção brasileira está em busca de um novo comandante para o ciclo de 2026. Alguns portugueses são citados como opção, Abel Ferreira, devido ao sucesso no Palmeiras, Jorge Jesus, ex-Flamengo, e Mourinho, do Roma. No cenário europeu, Luis Enrique e Guardiola também são monitorizados.

Brasil e Portugal deixam o Catar com sabor amargo. A derrota portuguesa para o Marrocos, por 1-0, foi uma das “zebras” da competição. O empate no fim e a eliminação nos penáltis para a Croácia também frustraram muito os adeptos do Brasil.

Resta esperar os novos passos, as movimentações das federações e o rumo dos craques de Portugal e Brasil. Entretanto, o inédito título português e o sexto brasileiro terão de esperar até 2026, nos Estados Unidos, México e Canadá. ■

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui