Associação “Mais Lusofonia” apresentada em Castelo Branco

Trabalho focado na promoção da cultura lusófona. Estudantes cabo-verdianos terão acompanhamento específico após protocolo firmado entre a Associação e a Câmara Municipal da Praia

0
1033
Sofia Lourenço, presidente da Associação "Mais Lusofonia", durante reunião em Cabo Verde
- Publicidade -

A Associação “Mais Lusofonia” vai ser apresentada oficialmente no próximo dia 6 de janeiro em Castelo Branco, durante uma Gala comemorativa que irá contar com a presença de diversas autoridades locais, nacionais e do município da Praia, Cabo Verde.

A programação começa às 18h com uma conferência proferida por Maria Clara Marques Rodrigues, presidente da Assembleia Municipal da Praia e do Conselho Geral da Associação Nacional dos Municípios Cabo-Verdianos, no auditório Comenius dos Serviços Centrais e da presidência do Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB), subordinada ao tema: “O papel da Juventude na construção de uma Liderança Ativa: Que caminhos face aos desafios?”.

Mais tarde, às 20h, terá lugar a Gala de Apresentação da Associação na Quinta das Olelas, Retaxo, onde estarão elementos da Câmara da Praia, do SEF, da Câmara Municipal de Castelo Branco e do governo central português, através do Programa Regressar, além de entidades associativas e culturais locais e nacionais.

Em declarações à nossa reportagem, Maria Clara Marques Rodrigues avaliou esta iniciativa.

“A minha expetativa, sobre a primeira Conferência, no âmbito das Conferências do Politécnico em Castelo Branco, é enorme e tem um triplo sentido, primeiro porque se trata de uma instituição académica de renome, segundo, porque o tema é dirigido, sobretudo  aos jovens e o seu papel na construção das lideranças, e, a terceira porque já é uma tradição e cada vez mais as expetativas vão aumentando em relação às Conferências já realizadas”, comentou esta responsável, que espera poder “motivar a atenção dos jovens e dos presentes sobre o tema escolhido, pois gostaria de lhes ouvir, quais são os seus maiores desafios e como têm sido as soluções, junto do Instituto Politécnico e do Poder Local”.

Em relação ao trabalho da Associação “Mais Lusofonia”, Clara Marques, que é também ativista social, cultural e ambiental, e presidente do Conselho Fiscal de Caritas cabo-verdiana e membro do conselho diretivo em diversas associações, explicou como será essa dinâmica de atuação conjunta entre o seu município e esta nova entidade.

“Em Cabo Verde, os Órgãos Municipais, do Município da Praia, têm tido um papel importante na busca de repostas às demandas dos jovens, no concernente à formação, ao emprego e ao lazer. O executivo camarário, junto com a Assembleia Municipal do Município da Praia, tem feito um trabalho meritório para a promoção de parcerias, dentro e fora do país, bem como junto às Câmaras Municipais e Instituições de formação no quadro da geminação e outras para mobilização de recursos, visando encontrar meios para a concretização dos seus desejos. É nesta perspetiva que se tem trabalhado com as associações, as empresas e a sociedade civil, para a materialização dos projetos, nomeadamente instituições e associação de cariz social e cultural no país e na diáspora, principalmente, a Associação Mais Lusofonia, que se pretende desenvolver atividades interessantes com o objetivo de uma melhor integração dos estudantes e busca de soluções para a promoção de uma inserção social mais autêntica, a fim de minimizar os desafios enfrentados no dia a dia. Estes objetivos vão ao encontro dos nossos propósitos, neste sentido que o nosso compromisso é trabalhar com a Associação “Mais Lusofonia” para que esses desideratos sejam uma realidade”, destacou Maria Clara Marques Rodrigues.

Por seu turno, Sofia Lourenço, presidente da Associação “Mais Lusofonia”, comentou que a Associação que lidera, e que conta com membros da sociedade civil, embora esteja sediada em Castelo Branco, tem abrangência nacional e internacional, privilegiando o mundo lusófono.

“A Associação tem como objetivo um leque de iniciativas que visam à integração e ao intercâmbio dos estudantes de várias nacionalidades que se veem fixando na região com o mesmo elo de ligação, a língua portuguesa. Neste primeiro momento, vamos trabalhar em sintonia com a Câmara da Praia para auxiliar os estudantes de Cabo Verde com vistas a aumentar o seu aproveitamento escolar e a melhor perceção da cultura do seu país natal e do seu país de acolhimento”, finalizou Sofia Lourenço. ■

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui