Academia dedicada ao estudo da fibromialgia terá sede na Covilhã

Com vocação para ser um “centro pedagógico-documental”, a Academia Portuguesa de Fibromialgia, Síndrome de Sensibilidade Central e Dor Crónica será liderada pelo Prof. Dr. José Luis Arranz Gil, médico espanhol (Basco), especialista e investigador sobre o tema

0
2361
Prof. Dr. José Luis Arranz Gil, diretor da Unidade de Fibromialgia, Síndrome de Sensibilidade Central e Dor Crónica na Mutualista Covilhanense e presidente fundador da Academia Portuguesa de Fibromialgia, Síndrome de Sensibilidade Central e Dor Crónica
- Publicidade -

No próximo dia 16 de julho, decorre a apresentação e cerimónia de tomada de posse da Academia Portuguesa de Fibromialgia, Síndrome de Sensibilidade Central e Dor Crónica, pelas 15 horas, no auditório da Associação de Socorros Mútuos Mutualista Covilhanense, localizada na Covilhã, região Centro de Portugal. A sessão solene, que contará com a presença de autoridades, cientistas, doentes e profissionais que acompanharão os fundadores deste evento “importante” para a comunidade de doentes com fibromialgia, será liderada pelo presidente fundador desta Academia, Prof. Dr. José Luis Arranz Gil, médico espanhol (Basco), que é diretor da Unidade de Fibromialgia, Síndrome de Sensibilidade Central e Dor Crónica da Mutualista Covilhanense e professor da Faculdade de Medicina da Universidade da Beira Interior (UBI), também na Covilhã.

Segundo os seus responsáveis, a nova Academia terá a função de um “centro pedagógico-documental”.

“Pedagógico: porque nela, todas as pessoas, com conhecimentos, ideias próprias, e sobretudo inovadoras, e uma vasta experiência no domínio da fibromialgia, assim como investigadores, podem partilhar os seus conhecimentos através de palestras, conferências, organização de congressos, reuniões científicas e quaisquer outros eventos e formas de promover o conhecimento da fibromialgia. Documental: porque será criado um arquivo documental dotado de profissionais de arquivo e de biblioteca, no qual serão reunidas todas as informações dispersas pelo mundo, a nível de artigos e publicações, investigações, teses, vídeos, abstracts, entre outros, que versem sobre a Fibromialgia, a síndrome de sensibilidade central e a dor crónica”, explicou o Prof. Dr. José Luis Arranz Gil, presidente fundador da Academia de Fibromialgia.

Símbolo oficial da Academia Portuguesa de Fibromialgia, Síndrome de Sensibilidade Central e Dor Crónica

Este especialista e investigador sublinha ainda que “o centro documental estará à disposição de investigadores, profissionais de saúde, professores e estudantes, pessoal da área jurídica ou judiciária que tenha a necessidade profissional de emitir sentenças sobre invalidez ou incapacidade e, por último, de preferência, para prestar apoio a doentes interessados em formação e /ou compreensão da sua doença, com base nos mais recentes avanços científicos”.

Na opinião do Professor Arranz Gil, é necessária uma maior “compreensão da doença por parte da sociedade em geral e dos profissionais na área da saúde em particular, pois, muitas vezes, desdenham, não valorizam e maltratam os doentes, não acreditando ou compreendendo que estes sofrem muito com esta enfermidade”.

“Esta Academia tem como objetivo primordial a valorização do conhecimento, a divulgação e a investigação científica em torno da Fibromialgia, da Síndrome de Sensibilidade Central e da Dor Crónica. Nasceu como todas as Academias que existem no mundo, com a vocação do estudo e da aquisição de conhecimentos, do trabalho consciencioso, científico e académico, bem como da divulgação do saber, e isso reflete-se na máxima do filósofo cordovês Séneca, que está na origem do emblema da Academia: ‘DOCENDO DISCIMUS´ que significa: ‘Ensinando aprendemos’”, explicou o Prof. Dr. José Luis Arranz Gil.

Somente na Covilhã,
no âmbito da Unidade de Fibromialgia, Síndrome de Sensibilidade Central e Dor Crónica na Mutualista Covilhanense, o Prof. Dr. José Luis Arranz Gil realizou 1500 consultas ao longo deste primeiro ano e meio da sua atividade, com mais de 80% de casos de “êxito total”, no tratamento da doença

Em novembro de 2021, o Prof. Dr. José Luis Arranz Gil iniciou funções como responsável pela Unidade de Fibromialgia, Síndrome de Sensibilidade Central e Dor Crónica na Mutualista Covilhanense, tendo alcançado, em junho deste ano, a marca de 200 atendimentos a pacientes que procuram esta especialidade na Covilhã. Um serviço que, segundo a Mutualista Covilhanense, é pioneiro em Portugal, já que é “a única do país dedicada em exclusividade ao tratamento da doença”, e que tem recebido doentes dos “quatro cantos do país”.

Durante este período, este profissional da área da medicina participou e realizou eventos que discutiram a doença e a importância do tratamento assertivo, como forma de melhorar a qualidade de vida dos doentes. Fruto da sua larga experiência internacional, profissional e académica, surge agora a Academia Portuguesa de Fibromialgia, Síndrome de Sensibilidade Central e Dor Crónica, cujos órgãos sociais serão apresentados ao público no próximo domingo. ■

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui