O que pode ser feito para desenvolver a região da Beiras? Fórum on-line debateu ideias

Certame on-line serviu para “ajudar o tecido empresarial das Beiras a criar pontes para outros mercados que permitam potenciar as riquezas” da região.

0
120
Evento analisou a economia e a região
- Publicidade -

O primeiro Fórum Económico da Região das Beiras, que aconteceu em formato digital, no último dia 12 de novembro, por iniciativa da Câmara do Comércio da Região das Beiras (CCRB), com sede no Fundão, reuniu autoridades, entidades, instituições, conselheiros europeus e líderes de grandes empresas de consultoria, além de empresários, numa discussão que procurou “analisar a economia e a região, neste momento em que a pandemia nos desafia para novas soluções”. Em pauta estiveram temas como “O Poder Político e o Turismo”, “A Agro Sustentabilidade”, “A Estratégia para a Diáspora” e “A Inovação e os Incentivos”.

Segundo Ana Correia, presidente da Câmara do Comércio da Região das Beiras, o certame on-line serviu para “ajudar o tecido empresarial das Beiras a criar pontes para outros mercados que permitam potenciar as riquezas” da região.

“Reunimos uma vasta equipa de oradores, com diferentes responsabilidades e diferentes experiências, mas unidos num objetivo comum: manter a nossa economia a funcionar, manter a dinâmica das empresas e das associações e continuar a contribuir para um futuro promissor”, destacou Ana Correia, que ressaltou que “a Câmara do Comércio da Região das Beiras quer ser uma parceira em alicerçar projetos que promovam estas regiões e permitam às empresas ganhar uma rede de contatos estratégicos para o futuro”.

Por sua vez, João Morgado, vice-presidente da CCRB, sugeriu ser necessário investir na internacionalização da imagem da região.

“O Fórum pretendeu reunir o poder político, que tem um papel estratégico na economia portuguesa, o poder da diáspora portuguesa como alavanca à internacionalização das nossas empresas, e o poder da enorme rede de experiência das Câmaras de Comércios, como grandes embaixadas económicas nos seus diferentes mercados. Três pilares fundamentais para alicerçarem políticas de crescimento e internacionalização das nossas empresas, e captação de novos investimentos para a região”, mencionou Morgado, que revelou que a entidade pretende “trabalhar o marketing estratégico da região e passar uma mensagem positiva no meio de toda esta crise que vivemos”.

Para Nelson Silva, presidente do conselho fiscal da CCRB, importa também tornar a região atrativa e criar oportunidades de investimento.

“O primeiro Fórum Económico possibilitou trazer para a região das Beiras um novo nível de discussão em termos de possibilidades de investimento nesta zona, além de promover o contato entre autoridades, entidades e o setor privado. Acredito que iniciamos um novo conjunto de ações que vão auxiliar no desenvolvimento do tecido empresarial e da componente social nas Beiras”, afirmou Nelson Silva.

Lista “seleta” de convidados

O evento contou com uma enorme pluralidade de oradores provenientes da função pública, de entidades e de empresas privadas da região, do país e do estrangeiro.

Em termos governamentais, participaram Ana Abrunhosa, ministra da Coesão Territorial; Rita Baptista Marques, secretária de Estado do Turismo; Berta Nunes, secretária de Estado das Comunidades Portuguesas; Isabel Ferreira; secretária de Estado da Valorização do Interior; Paulo Alexandre Bernardo Fernandes, presidente da Câmara Municipal do Fundão; e Vítor Amaral, vice-presidente da Câmara Municipal da Guarda.

Foram oradores também Hermano Sanches Ruivo, vereador dos Assuntos Europeus da Câmara Municipal de Paris; Victor Alves Gomes, conselheiro nacional pela Emigração – Europa; Emília Ribeiro, vereadora das Relações Internacionais da Câmara Municipal de Paris; e Rodolfo Baldaia Queirós, presidente da Comissão Vitivinícola da Região Beira Interior (CVRBI).

Em representação das entidades comerciais, foi ouvida a palavra de Armando Abreu, presidente da Federação das Câmara de Comércio Portuguesas no Brasil; Nuno Rebelo de Sousa, presidente da Câmara de Comércio Brasil – Portugal de São Paulo; Carlos Vinhas Pereira, presidente da Câmara e Indústria Franco – Portuguesa; Rômulo Alexandre Soares, vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil – Portugal no Ceará; Igor Zolkin, presidente da Câmara de Comércio e Indústria da Rússia em Portugal.

No campo diplomático, estiveram on-line Kamynin Mikhall, embaixador da Rússia em Portugal, e Sergei Baldin, conselheiro Económico da Rússia em Portugal.

Por parte do ensino superior, opinaram Luís Simões da Silva, vice-reitor da Universidade de Coimbra; João Veloso, vice-reitor da Universidade de Aveiro; Ricardo Paes Mamede, presidente do Instituto para as Políticas Públicas e Sociais do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE); Celestino Morais Almeida, professor coordenador da Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB); e Manuel Salgado, vice-presidente do Instituto Politécnico da Guarda.

Pela iniciativa privada, falaram Paulo Cunha Ribeiro, CEO UNITOM; Nelson Antunes, CEO BerrySmart; Helena Abreu, diretora-geral da ALGA PLUS; Adriel Oliveira, CEO Shimejito; Alexandre Real, presidente da SFORI; João Pestana Dias, CEO Trade Connection Portuguese Turkish Network; Luís Martins, CEO Territórios Criativos; Javier Álvarez González, CEO Connections Portugal; José Bessa, CEO OutConsulting; Bruno Pires, Partners Moss & Cooper; e Sílvia Massano, CEO SM Consultores.

Encontro marcado pelo anúncio de “novas ações”

Durante o Fórum, Berta Nunes anunciou que o Programa Regressar, que pretende promover o regresso de emigrantes, vai ser reavaliado com mais medidas e prolongado até 2023, devido à “grande procura” que continua a ter.

Por sua vez, e de acordo com as autoridades presentes na discussão digital, está reafirmado o compromisso do governo português em valorizar e destacar as oportunidades da região das Beiras para o mercado interno e para outros países, além de haver uma série de medidas que visam promover melhorias na área do turismo, além de auxiliar empresários que atuam nesse ramo de atividade.

A diplomacia da Rússia em Portugal deixou claro que as relações bilaterais são “positivas” e que os dois países devem reforçar essa “união comercial”.

O Fórum foi transmitido via Internet por força da pandemia de Covid-19.

O papel da CCRB

A Câmara do Comércio da Região das Beiras foi constituída em junho deste ano e tem como objetivo “promover os produtos e serviços da região, no país e no estrangeiro”, além de “valorizar e levar para fora o que de melhor se produz na região das Beiras”.

Os seus sócios fundadores são Ana Correia, Correia de Almeida e João Morgado, que constituem a comissão instaladora. E, ainda, Nelson Silva (Mutualista Covilhanense), Henrique Gigante (Associação Comercial e Industrial da Covilhã, Belmonte e Penamacor), Luís de Sá Pereira (Casas de Alpedrinha) e João Ferreira (Associação Comercial e Industrial do Fundão). ■

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui